O bom momento eleitoral da candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff – que na pesquisa CNI/Ibope, divulgada na semana passada, tinha cinco pontos porcentuais acima do principal adversário, José Serra (PSDB) – tem atraído para o entorno da petista uma legião de curiosos fora da arena política.

Na última semana, Dilma Rousseff reservou tempo na agenda para encontros com intelectuais, artistas, representantes da elite paulistana e socialites. Na noite de segunda-feira, 28, após gravar o programa Roda Viva, da TV Cultura, Dilma Rousseff seguiu para Higienópolis, área nobre de São Paulo, acompanhada do ministro da Cultura, Juca Ferreira.

Conduzida pelo ministro, a petista participou de jantar no apartamento do coreógrafo Ivaldo Bertazzo. No evento, inicialmente preparado para aproximadamente 30 pessoas, cerca de 60 artistas curiosos queriam ouvir os planos de Dilma para a cultura.

Continua após a publicidade

“A imprensa cria uma imagem muito dura da Dilma, e as pessoas têm uma curiosidade muito grande para conhecê-la e conhecer suas propostas para a cultura”, afirmou o ministro ao Estado.

Juca Ferreira disse ter ficado impressionado com o alto nível de conhecimento da petista sobre ópera, que passou boa parte da noite conversando com o maestro John Neschling.

Segundo relatos dos presentes, a candidata do PT permaneceu no local por cerca de três horas. Num contato afável com artistas, músicos e cantores, demonstrou que tinha interesse em estender o jantar até a madrugada, mas foi alertada por assessores sobre o horário do voo, que poderia perder.

Dilma Rousseff fez uma rápida apresentação sobre sua visão da cultura e depois respondeu a perguntas específicas dos artistas. Segundo a ex-ministra, o Brasil teve uma situação econômica confortável e estável e tem condições de investir mais no binômio educação e cultura.

Na sua exposição, elogiou também a política cultural do governo Lula iniciada sob o comando do ex-ministro Gilberto Gil e continuada por Ferreira. Admitiu que é preciso aperfeiçoar aspectos da Lei Rouanet, defendeu a liberdade de expressão e enfatizou que o Estado precisa ter um papel de estimulador de projetos culturais.

A petista destacou ainda a importância da preservação de patrimônios culturais e escutou reclamações diversas sobre as dificuldades de conseguir patrocínios de empresas privadas para projetos sociais.

Num evento que contou também com a presença de estilistas e especialistas em moda, entre eles Gloria Kalil, Dilma defendeu que o setor precisa ser entendido como um segmento importante da economia, sobretudo por refletir a cultura de um povo.

“A ministra demonstrou um alto nível de conhecimento sobre a política cultural. Está afinada e acompanha bem as ações do ministério”, opinou Juca Ferreira. O ministro disse que há forte demanda no setor para uma agenda reservada com Dilma e sugeriu que o comando político da campanha pense em organizar eventos mais amplos com segmentos de artistas.

Entre os presentes, estavam os músicos Chico César e Seu Jorge, o escritor e roteirista Paulo Lins, atores e promotores culturais. “Acho que a educação e a cultura têm laços estreitos e essa deve ser uma preocupação primordial de qualquer governo. O PT tem uma relação muito boa com a educação e isso me pega pelo pé. Gostei da questão que a Dilma colocou”, afirmou Paulo Lins, escritor do livro Cidade de Deus. “Sou forte candidato a apoiar o presidente Lula mais uma vez”, disse Lins, num ato falho, sem mencionar o nome de Dilma. Em seguida, declarou o voto a Dilma. “Vou votar na Dilma, sim. Decidi abrir meu voto.”

Segundo dirigentes do PT, Dilma irá participar de evento organizado pela viúva de Roberto Marinho, Lili Marinho, sexta-feira, 2, no Rio de Janeiro. A candidata deverá ser acompanhada pelo ex-ministro Antônio Palocci. Na semana passada, Dilma aceitou convite de Geyze Diniz, mulher do empresário do Grupo Pão de Açúcar, Abílio Diniz, para participar de uma reunião com socialites paulistas.

de Dilma atrai artistas e intelectuais


Comments are closed.