* Anastasia sobe tom contra Hélio Costa e evita compromisso com metrô de BH

Segundo colocado nas pesquisas de intenção de voto, o candidato do PSDB ao governo mineiro, Antonio Anastasia, afirmou nesta terça-feira (10) que uma vitória de seu principal adversário, Hélio Costa (PMDB), seria “um risco” e atacou a gestão do ex-ministro das Comunicações nos Correios. Os comentários foram feitos durante sabatina promovida pelo jornal Folha de S.Paulo.

Anastasia disse que, “por uma questão de justiça”, a União deve participar da construção do metrô de Belo Horizonte, que não avançou nos últimos anos. “Eu não vejo na candidatura do meu adversário uma prioridade para profissionalização administrativa. Acho que isso é importante para o governador de um Estado como Minas Gerais, até pelo nosso reconhecimento. Não vejo muito essa prioridade”, disse o governador, que busca a reeleição.

Questionado sobre se as críticas se referiam aos recentes problemas enfrentados pelos Correios, administrados pela pasta de Hélio durante o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o tucano respondeu: “sim, é pelos Correios”. Depois, completou: “Não vejo no campo adversário essa preocupação [com gestão]. Isso é grave e pode colocar um grande problema. Construir é difícil e destruir é fácil. Pode ser que haja um retrocesso a partir das figuras que o cercam, a metodologia [desses aliados de Hélio]. É um risco”.

Em seguida, afirmou que, “por estilo”, não fará “campanha de maneira agressiva, criticando”. Anastasia também disse que não vai abrir mão do apoio de aliados no Estado que defendam a eleição da petista Dilma Rousseff para o Palácio do Planalto. “Não podemos ser pretensiosos de imaginar que o eleitor dentro da urna vai fazer marmita eleitoral. O eleitor é bem informado, vai escolher como sua consciência indicar”, disse.“Temos formalmente na nossa aliança partidos que apóiam nacionalmente a campanha da Dilma. Por outro lado, estamos tendo reconhecimento de muitas lideranças da oposição e que, em reconhecimento ao nosso governo, estão aplaudindo. Isso está acontecendo com muitos governadores bem avaliados. Agora não há nenhum movimento criado no nosso âmbito com esse objetivo”, afirmou.

Metrô

Questionado sobre os motivos que impediram o governo mineiro de estadualizar o incompleto metrô de Belo Horizonte, Anastasia lembrou que essas iniciativas em São Paulo e no Rio de Janeiro foram feitas pela União. “Esses Estados só fizeram a expansão daquilo que receberam”, afirmou o candidato.

“É simplesmente uma questão de justiça. Queremos a proposta que congrega recursos do tesouro nacional, do Estado e do município. Já há o compromisso público de esse metrô sair. Mas eu não posso assumir essa responsabilidade sozinho”, disse Anastasia, que vê novo ânimo para o instalar três linhas na capital mineira – uma delas subterrânea – por conta da Copa do Mundo de 2014.

One Comment

comente e responda

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

* Stress e o funcionalismo público – uma combinação de “perder a cabeça”

Gastão Vilela França Filho do PP é preso acusado de corrupção em Ituiutaba