Capinópolis teve avanços importantes na “Acessibilidade”

Fotos de pontos com acessibilidade em Capinópolis

CAPINÓPOLIS – Cleuber Correia Paulino pode ser mostrado como um grande exemplo de superação. Cadeirante, Cleuber nunca ficou quieto em casa, mesmo tendo as dificuldades impostas pela falta de calçadas acessíveis e rampas pelas ruas de Capinópolis.

 Apaixonado por esporte é hoje um dos melhores profissionais que atuam como “Anotador Cronometrista”. “Sempre tive no Cleuber o exemplo de superação e uma pessoa que nunca se preocupou com seus limites, e quando ele se deslocava do Bairro Ideal até o Capinópolis Clube em sua cadeira de rodas a gente via que não existia cansaço e tão pouco baixa estima”, revela o jornalista Gladiston Pires, que durante muitos anos na coordenação de eventos como os Jogos Estudantis de Capinópolis deu oportunidade para o trabalho do amigo.

 A questão da acessibilidade é tema de discussão constante na Prefeitura de Capinópolis, sempre defendida pela arquiteta Lussane Pricinoti e pela prefeita Dinair Isaac.

 Nesse ponto a atual administração tem conquistado alguns avanços em benefício dos deficientes. Dentre os exemplos a serem apresentados podemos citar o Parque de Exposições João de Freitas Barbosa, que ganhou algumas rampas, além de corrimão nas escadas. A obra de reurbanização da Avenida 101 também veio acompanhada da construção de rampas, bem como, a recém asfaltada Rua 106, desde a Avenida 105 até a Avenida 99. A Praça São Paulo e São Pedro também são exemplos importantes do trabalho que vem sendo feito para diminuir o problema enfrentado pelos cadeirantes. “Não só a situação do Cleuber, mas quando via o sofrimento do nosso amigo Ênio ao transitar pela cidade com o seu filho o saudoso Beto, aquilo nos cortava o coração, pois ele tinha que andar e muito pela rua sem acesso às calçadas”, disse Dinair.

 Em recente conversa com a arquiteta Lussane Pricinoti, ela disse que não só a Prefeitura teria que mudar de atitude e começar a construir as rampas, mas os próprios cidadãos deveriam também zelar pela calçada de sua casa, mantendo a mesma limpa, sem obstáculos que possam impedir ou até provocar acidente para as pessoas com necessidades especiais.

 A questão da acessibilidade veio a ser fortalecida através do Decreto-lei 5296 de 2 de dezembro de 2004, que Regulamenta as Leis n°s 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mulher Melancia é capa da revista ‘Sexy’ de julho – veja fotos

VI Conferência de Assistência Social em Capinópolis