Maioria dos moradores de rua bebem e usam drogas

Divulgação

Em Uberlândia, 88% dos moradores de rua têm problemas com dependência química, seja por cigarro, álcool ou drogas. Os dados são da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social e mostram que o índice da cidade é superior ao estadual. Pesquisa encomendada pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese), feita em 222 municípios mineiros, mostra que 81,3% sofrem com a dependência química.

O levantamento estadual foi feito ao longo de 2010 pela Pastoral de Rua da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e também mostra que 94% possuem familiares e parentes, mas preferem continuar nas ruas. Segundo a secretária de Desenvolvimento Social de Uberlândia, Iracema Marques, a realidade local é a mesma. “A maioria tem familiares aqui na cidade. Nestes casos, identificamos o pessoal, tentamos encaminhá-los de volta para casa, mas muitos negam a ajuda e preferem ficar na rua”, disse.

A reportagem do CORREIO de Uberlândia percorreu várias praças da cidade, local em que eles costumam se aglomerar, e conversou com alguns dos moradores de rua. A história de um homem de 54 anos, morador de rua há 18, foi a que chamou mais a atenção. Vindo de Itajubá, no sul de Minas, onde deixou a família, hoje, ele trabalha como catador de papelão para conseguir dinheiro e gasta grande parte com drogas. O homem diz que pensa viver mais uns 40 anos, mas não projeta ter um lar outra vez. “A vida é difícil, mas aqui me sinto livre. Bebo, fumo e cheiro e me acostumei tanto que não quero mais uma casa. Somos excluídos da sociedade, a droga é como se fosse a nova diversão”, afirmou.

Para a psicóloga Saleti de Souza Jesus, a droga para eles é um amparo possível e barato para a situação em que vivem. “É algo que está no controle deles, a única forma de exercer o poder de compra, necessário a todas as pessoas”, disse.

Serviço é realizado diariamente na cidade

De janeiro a agosto deste ano, 597 moradores de rua foram abordados nas ruas de Uberlândia por meio da Ronda Social realizada diariamente pelos assistentes sociais do município. Durante todo o ano de 2010, este número chegou a 2.312 abordagens. Neste trabalho, os serviços de apoio como albergue, recuperação contra o uso de drogas, entre outros, são oferecidos aos moradores de rua.

De acordo com a secretária de Desenvolvimento Social, Iracema Barbosa Marques, as rondas feitas com a parceria do Ministério Público, da Polícia Militar, e outros órgãos, cujo lema é “Não dê esmola, dê escola”, continuam acontecendo três vezes por mês. “Queremos conscientizar a população de que é melhor ajudar uma entidade e contribuir de maneira mais efetiva do que com esmolas ou outras coisas”, afirmou.

Nos casos de pessoas de outras cidades que desejam retornar ao destino de origem, a secretaria também fornece passagens rodoviárias. Neste ano, até novembro, foram doadas 3.272 passagens. Em todo o ano passado, foram 3.773 passagens.

Centro de Referência será inaugurado em 2012

Até fevereiro de 2012, será inaugurado, em Uberlândia, o Centro de Referência de Atendimento à População de Rua. O espaço, que deve prestar apoio a este público, como encaminhamentos para serviços de saúde e sociais, funcionará em uma chácara, cujo local não foi informado pela Secretaria de Desenvolvimento Social. O Centro será administrado pela Instituição Cristã de Assistência Social de Uberlândia (Icasu).

Hoje, a Icasu já atende a população de rua. Qualquer cidadão que queira passar informações sobre fatos ocorridos com os moradores de rua ou solicitar equipes para fazer o encaminhamento deles pode entrar em contato pelo telefone 24 horas: 3236-4040.

Em Belo Horizonte existe, desde abril deste ano, o Centro Nacional de Defesa dos Direitos Humanos da População em Situação de Rua e Catadores de Materiais Recicláveis (CNDDH). No local, o público-alvo participa de ações educativas e atividades de formação e esclarecimento sobre os direitos fundamentais, cidadania e democracia.

Moradores de Rua

Uberlândia
88% dos moradores de rua têm dependência química (tabaco, álcool ou drogas)

Minas Gerais
81,3% dos moradores de rua têm dependência química (tabaco, álcool ou drogas)

Abordagens Ronda Social
2010 – 2.312 abordagens
2011(até agosto) – 597 abordagens

Passagens rodoviárias concedidas a imigrantes
2010 – 3.773 passagens
2011(até novembro) – 3.272 passagens

Icasu
Ronda 24 horas
3236-4040

Chegou o momento de planejar 2012

Compre pelo site da loja A ilha e pague no ato da entrega. É inovação que não acaba!