Mega, o novo Megaupload, atinge 100 mil registros em uma hora

Mega, o novo site do Megaupload, atingiu neste sábado (19/01) a marca de 100 mil registros em uma hora, durante seu lançamento. Segundo seu fundador, Kim Dotcom, o novo serviço de compartilhamento de arquivos é “100% seguro e impossível de parar”.

Foto do perfil do Twitter de Kim Dotcom, o fundador
do Mega (Reprodução|Twitter)

 

Impossível mesmo? Até o momento, alguns usuários tem dificuldade de entrar no site, que está com tráfego pesado. Mesmo assim, o Mega continua com sua proposta atraente de 50 GB de espaço gratuito. Por 10 euros é possível aumentar o espaço até 500 GB.

O total de registrados e os problemas no site

Além de atingir a marca de 100 mil usuários em apenas uma hora, o serviço encerrou sua estreia no dia 19 de janeiro com um total de 250 mil registros. O fundador do Mega, Kim Dotcom, acredita que seu serviço é a empresa startup (iniciante) com maior crescimento da história.

As visitações ao Mega ficaram tão pesadas que o site deixou de funcionar no final da noite e no começo da madrugada de hoje (20). Nas redes sociais, muitas pessoas reclamaram que não conseguiram ver o Mega e sequer fazer o cadastro no novo serviço.

Mesmo com esses problemas, a empresa Instra da Nova Zelândia será responsável pela infraestrutura do Mega e pelas cobranças dos usuários que pagarem pelo serviço. A corporação tem experiência com dados de e-mails e é um dos acionistas do serviço de Kim Dotcom.

Upload no Mega: Funciona até em conexões lentas

Kim afirmou durante o lançamento que existe uma tecnologia no Mega chamado “acelerador Mega”. O recurso é ativado no site, sem a necessidade de aplicativos adicionais, e fragmenta os arquivos enviados em vários pedaços, acelerando o upload.

O recurso é ideal para conexões lentas, pois torna mais fácil o armazenamento de um mesmo arquivo em várias divisões menores. A mesma tecnologia será aplicada para pessoas que queiram baixar arquivos de forma rápida.

Segurança

O novo Mega recebeu investimento em criptografia para que a equipe de Kim Dotcom não tenha acesso às senhas dos usuários e nem mesmo às chaves de acesso. O fundador do site quer evitar problemas com a justiça americana, que o prendeu há um ano atrás sob a acusação de pirataria e infração de direitos autorais.

Mega quer ser um site que não interfere no compartilhamento dos arquivos. Dessa forma, o investimento de segurança permite tanto que os usuários subam arquivos que eles querem – legais ou ilegais – e impede que a empresa seja responsável pela circulação de dados. Nas clausulas legais do Mega, a companhia não quer associação com atividades que incitem crimes virtuais.

Brasileiros no Mega

Em entrevista à revista brasileira INFO no lançamento do site em Auckland, Nova Zelândia, Kim Dotcom pediu desculpas aos brasileiros pelo fechamento do Megaupload em 2012. Segundo o fundador do serviço, os brasileiros eram parte considerável do serviço antigo que ele oferecia.

Kim completou que o Mega está sendo construído segundo a legislação. Ele quer garantir, diferente de antes, que os dados das pessoas não serão apagados sem aviso prévio. Com sua prisão em 2012, Kim Dotcom não conseguiu sequer avisar os usuários no dia em que o site foi fechado por autoridades dos Estados Unidos.

Megamovie: Um novo serviço?

Megamovie: Vai competir com o Netflix? (Reprodução)

Kim Dotcom também liberou um screenshot de um serviço chamado Megamovie. O fundador do site disse que quer conversar com a Associações de Filmes da América (conhecida pela sigla MPAA ou Motion Picture Association of America) para reproduzir por streaming filmes, séries de TV e músicas. O serviço parece similar ao que o Netflix faz hoje.

Dotcom vai ter sucesso com o Mega e com novas iniciativas de compartilhamento e entretenimento online? Só o tempo vai dizer. No entanto, o serviço já atingiu 100 mil clientes online em apenas uma hora. O sucesso se deu graças a uma proposta atraente de espaço na nuvem. É um começo com o pé direito.

Fonte: TNW, INFO e TechTudo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Intel confirma que deixará de fabricar placas-mãe para desktop

Criança de três anos morre picada por escorpião em Ituiutaba