Chorão, do Charlie Brown Jr, é encontrado morto em São Paulo na madrugada desta quarta

Chorão – Musico

Chorão, vocalista da banda Charlie Brown Jr, foi encontrado morto no final da madrugada desta quarta-feira (6), no apartamento onde morava em Pinheiros, na Zona Oeste de São Paulo. O músico, batizado de Alexandre Magno Abrão, completaria 43 anos em 9 de abril.

Segundo o delegado Itagiba Franco, da Polícia Divisionária do Departamento de Homicídios, paramédicos encontraram o músico de bruços no chão da cozinha, com um das mãos machucadas e já sem vida, sozinho em casa. O apartamento que fica no oitavo andar estava revirado, sujo e havia vestígios de sangue.

Bebidas e pó branco também foram encontrados no local, mas o delegado não confirmou se era droga. “Vamos colocar isso no inquérito policial”, disse. Trechos de um boletim de ocorrência divulgado pela TV Globo indicam que se tratava de “pequena quantidade de substância branca que aparenta ser cocaína”.

Chorão e a ex-mulher Graziela Gonçalves

Itagiba ainda falou à imprensa que ainda é muito cedo para falar o que aconteceu. “Não vou descartar nada, mas aparentemente não se trata de homicídio. Ele parece ter se debatido, por isso o sangue na mão”.

A apresentadora de TV Sonia Abrão, prima do cantor, chegou ao prédio por volta das 8h desta quarta e disse que Chorão estava com problemas pessoais envolvendo o divórcio da mulher, a estilista Graziela Gonçalves.

O delegado afirmou ainda que o motorista e o segurança do músico chamaram o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) por volta das 4h30 desta quarta, mas não se sabe a hora da morte, já que Chorão não atendia a porta nem o telefone desde o meio-dia de terça-feira.

As investigações, que estavam com a Delegacia de Polícia, foram repassadas para o DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa).

O baixista da banda, Champignon, também foi até a casa de Chorão e, abatido, admitiu que tinha desavenças públicas com o cantor, mas que eles eram muito amigos, há 20 anos. Em setembro do ano passado, Chorão chegou a discutir com Champignon durante um show em Apucarana (PR), quando fez críticas sobre a então saída do músico do grupo, em 2005. Os dois fizeram as pazes dois dias depois.

Biografia
Chorão formou a banda Charlie Brown Jr. na cidade de Santos, no litoral de São Paulo, na década de 1990. Ele era o único integrante que permaneceu durante todas as fases do grupo, lançando nove discos de estúdio, dois álbuns ao vivo e duas coletâneas. O grupo vendeu mais de 5 milhões de discos e, em 2009, ganhou um Grammy Latino com o álbum “Camisa 10 Joga Bola Até na Chuva”.

O último registro da banda é o disco ao vivo “Música Popular Caiçara”, que saiu no ano passado e marcou a volta dos integrantes Marcão e Champignon à banda, que haviam deixado o grupo em 2005. A banda estava de férias e o retorno seria durante um show no próximo dia 22 em Campo Grande, no Rio de Janeiro.

A vida pública de Chorão foi marcada por uma série de desentendimentos entre os integrantes da banda e entre outros músicos, como a briga com Marcelo Camelo, integrante do Los Hermanos, em 2007. Chorão agrediu o cantor na sala de desembarque do Aeroporto de Fortaleza e foi detido pela Polícia Federal.

Além de músicas, Chorão também escreveu roteiros, como do filme “O Magnata” (2007), dirigido por Johnny Araújo, e do longa “O Cobrador”, que ainda está em produção. Ele também era dono do Chorão Skate Park, em Santos, uma pista de skate indoor.

Repercussão
Ao saber da morte de Chorão, amigos e colegas do universo musical lembraram de seus últimos contatos com ele, sempre destacando sua personalidade explosiva e obstinada. Champignon, baixista da banda Charlie Brown Jr., disse que, apesar das desavenças, ele e Chorão eram amigos. “A gente tinha uma relação profissional. Apesar das muitas brigas, éramos amigos há mais de 20 anos”, falou.

“Chorão era um cara diferenciado. Era jovem por dentro, tinha essa rebeldia que o cara novo gosta”, destacou o produtor Rick Bonadio, que lançou o álbum de estreia do Charlie Brown Jr. em 1997 e tinha voltado a falar com o músico recentemente para mostrar novas faixas. “O Chorão era um cara de personalidade forte, brigava com as pessoas, entre a gente nunca teve problema. No estúdio, ele era sempre respeitoso. Quando eu pedia três músicas, ele fazia 20. Era fantástico, muito criativo e carinhoso”.

As lições de inovação de Steve Jobs, segundo seu biógrafo

Bruno diz que corpo de Eliza foi esquartejado e jogado para os cães