Polícia prende empresário suspeito de matar jovem uberlandense na Itália

Casal Claudio e Marília (Foto: reprodução Facebook)

A polícia italiana prendeu, nesta terça-feira (3), o empresário Claudio Grigoletto, principal suspeito pela morte da uberlandense Marilia Rodrigues Silva Martins, de 29 anos, encontrada morta na última sexta-feira (30), no escritório da empresa Alpi Aviation do Brasil, em Gambara, na Itália. As informações foram divulgadas pela Agência Italiana de Notícias (ANSA).

Segundo a ANSA, Grigoletto foi interrogado durante toda a madrugada e a prisão foi pedida pelo Ministério Público, depois que vários indícios levaram a polícia a acreditar que o empresário fosse o responsável pelo homicídio. Ele está sendo investigado por homicídio agravado pela tentativa de ocultação de cadáver e de aborto, já que a vítima estava grávida.

Segundo o procurador de Brescia, Fabio Salamone, Claudio Grigoletto teria matado a mineira,  pois, o filho que ela estava esperando era dele, fruto de uma relação extraconjugal. “Ele quis eliminar o problema para salvar o próprio casamento”, disse o procurador.

Na matéria publicada nesta manhã pela agência, o procurador informou ainda que Marilia Martins foi “estrangulada, mas pode ter morrido por respirar gás”. “Não queremos condenar nem incriminar ninguém. Não há uma confissão, mas uma situação com vários indícios”, disse. O procurador ainda afirmou que, durante o interrogatório, Grigoletto passou muitas informações contraditórias.

A agência de notícias divulgou também que o suspeito do crime criou uma conta e-mail para culpar outra pessoa que teria uma suposta relação com a brasileira.

Ainda segundo informações da ANSA, a autópsia comprovou que Marília foi vítima de homicídio.

Mãe da jovem embarca nesta quarta-feira para Itália

A mãe da jovem Marília Rodrigues Silva Martins, de 29 anos, encontrada morta na sexta-feira (30), viaja nesta quarta-feira (04) cedo para Gambarra, província italiana de Brescia, na Itália. Natalia Maria da Silva espera conseguir mais informações sobre o caso. “Até agora não tive nenhuma informação concreta sobre as investigações”, afirmou.

Ela se diz angustiada por estar muito longe. Ainda de acordo com a mãe, o Itamaraty não lhe ofereceu ajuda de custo para a viagem. No país já estão o pai e o tio de Marília Martins.

Fonte: Correio de Uberlândia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Receba notícias no seu e-mail! Cadastre-se Gratuitamente

Vanderley de Souza é eleito o “Empresário do ano 2013” em Capinópolis