DANIELA LIMA
ALEXANDRE ARAGÃO | Folha de S. Paulo

Dados repassados à Justiça de São Paulo mostram que equipamentos e funcionários da Prefeitura de Guarulhos, comandada há 14 anos pelo PT, foram usados para criar páginas com ofensas ao senador Aécio Neves (PSDB-MG) em redes sociais.

Continua após a publicidade

Nome dos tucanos para o Planalto, Aécio é hoje o principal rival da presidente Dilma Rousseff (PT) na disputa.

As informações chegaram ao Judiciário depois que o senador abriu um processo contra 27 empresas que prestam serviços relacionados à internet e conseguiu uma decisão que as obrigou a quebrar o sigilo contratual de clientes.

A intenção do tucano era descobrir quem estava por trás de páginas com o nome “Aécio Boladasso”. Criados em novembro passado no Twitter e no Facebook, os perfis falsos a princípio se mostravam favoráveis ao senador -uma versão tucana da “Dilma Bolada”, que faz publicidade da presidente nas redes.

Logo, no entanto, passaram a criticar Aécio e relacioná-lo a hábitos como o consumo de álcool. Ainda em novembro, o tucano acionou o principal escritório de direito digital do país -27 advogados estão cadastrados para seguir sua cruzada judicial.

Primeiro, Aécio processou o Facebook e o Twitter. O juiz Nilson Wilfred Ivanhoe Pinheiro obrigou as duas empresas a repassar dados cadastrais e IPs (número que identifica o computador usado para o acesso) dos criadores dos perfis falsos.

A equipe de advogados, então, fez uma pesquisa particular e identificou e-mails e telefones celulares que tinham sido usados para fazer postagens e criar as páginas.

Com essas informações, pediram que mais 25 companhias fossem incluídas na ação e entregassem dados de pessoas ligadas ao caso.

Com nova decisão favorável do juiz, empresas como UOL, do Grupo Folha, Microsoft, TIM e Telefônica entregaram CPF, CNPJ, nome e endereço dos clientes listados.

Folha acessou o processo na Justiça e fez cruzamentos com os dados fornecidos, chegando à localização dos imóveis e às profissões de alguns dos citados no caso.

Só a partir da sede da Secretaria de Comunicação Social de Guarulhos as páginas contra Aécio foram manipuladas 81 vezes em 20 dias. Há ainda entre os criadores do perfil uma funcionária da prefeitura, Nataly Diniz, que usou o celular para administrar as páginas.

A pasta confirmou que Nataly é servidora, mas não informou em que setor ela atua. A assessoria de imprensa disse que a funcionária não falaria sobre o caso, mas que sua conduta seria apurada.

Na Secretaria de Comunicação, os acessos aos perfis de Aécio ocorreram a partir de um IP vinculado a uma agência de propaganda, a PG Comunicação.

As páginas contra Aécio também foram administradas por pessoas de outros dois Estados. A Folha conseguiu contato com duas delas. Lucas Nunes Pereira, de Juiz de Fora (MG), diz não saber por que aparece na ação. “O que postei era a favor de Aécio.”

A segunda, de Petrópolis (RJ), não quis se manifestar. Procurada, a advogada Juliana Abrusio, sócia do escritório que representa Aécio, disse que o tucano é vítima de uma “ação orquestrada em vários Estados”.

aecio_prefeitura_petista

OUTRO LADO

A assessoria de imprensa da Prefeitura de Guarulhos disse que, até ser procurada pela Folha, desconhecia o uso de suas instalações e o empenho de funcionários na criação de perfis contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG) em redes sociais.

O órgão afirmou ainda que vai “apurar o uso indevido de seus equipamentos e serviços por parte da referida funcionária [Nataly Galdino Diniz] e tomar as medidas cabíveis”.

A assessoria disse que Nataly não falaria sobre o caso e não informou a área em que ela atua. A reportagem encontrou uma nomeação de Nataly no Diário Oficial para a Secretaria de Governo.

Em nota, a prefeitura ressaltou que “tem como política instalar, em todos os anos eleitorais, um grupo para orientar todos os seus servidores no sentido de não utilizarem os equipamentos públicos para fins eleitorais”.

A assessoria da PG Comunicação, empresa de publicidade que era titular da assinatura de internet que foi usada na administração do “Aécio Boladasso” disse que que manteve contrato com administração municipal até dezembro de 2013.

Em nota, afirmou que a empresa “de fato emprestou seus equipamentos” para a Secretaria de Comunicação da prefeitura, mas que eles eram destinados a “trabalho exclusivo de publicidade”.

A empresa afirmou que “toda a gestão de redes sociais da Prefeitura de Guarulhos era realizada pela própria administração”. “Nenhum de nossos colaboradores jamais os usou para qualquer atividade que foge ao escopo dos contratos que tínhamos”, disse, em nota.

“Caso se comprove que nossos equipamentos foram indevidamente utilizados, tomaremos todas as medidas necessárias para garantir a apuração do ilícito. E desde já defendemos, claro, a punição dos responsáveis”, encerrou.


Comments are closed.