O deputado federal Antônio Andrade, quando era ministro da Agricultura
O deputado federal Antônio Andrade, quando era ministro da Agricultura

PAULO PEIXOTO
DE BELO HORIZONTE

MINAS GERAIS – O PMDB de Minas Gerais, aliado ao PT no Estado, acusa o PSDB mineiro de oferecer R$ 20 milhões ao partido em troca de apoio na disputa para o governo.

A afirmação foi feita na segunda-feira (26) pelo presidente do PMDB-MG, deputado federal Antônio Andrade, após reunião da Executiva estadual da sigla. O PSDB negou a suposta oferta.

Continua após a publicidade

“Eu disse pra eles [do PSDB] que tenho que ajudar nossa bancada, que estou atrás de R$ 20 milhões. Eles disseram: ‘Não, isso não é problema, nós conseguimos os R$ 20 milhões pra você ajudar a bancada dos pré-candidatos a deputado estadual e federal'”, disse Andrade, em entrevista após o evento.

Antes, durante o encontro, segundo os jornais mineiros “O Tempo” e “Hoje em Dia”, que acompanharam a reunião, ele falou em tentativa de “compra” e citou o deputado federal Marcus Pestana, presidente do PSDB de Minas, como autor da oferta.

Em entrevista após a reunião, questionado sobre o assunto, Andrade amenizou o tom. Ele negou que tenha ocorrido uma tentativa de compra, mas confirmou a conversa em torno da cifra de R$ 20 milhões.

Também não citou Pestana, mas disse que um “porta-voz” do PSDB participou de reunião com os peemedebistas e ficou de conseguir a ajuda financeira.

Os peemedebistas mineiros Sávio Souza Cruz e Zaire Rezende, que estiveram no encontro do PMDB, disseram que Andrade mencionou a oferta, mas não confirmaram a citação a Pestana.

Procurado pela reportagem, Pestana chamou de “mentira brutal” e “delírio” a suposta oferta de dinheiro.

“Nunca houve esse diálogo. Eu não sei como alguém joga uma calúnia dessa no ar”, afirmou.

Segundo Pestana, sua única reunião com o PMDB de Minas ocorreu há três meses, quando ele pediu que o partido passasse a dialogar com a aliança que dá sustentação aos tucanos no Estado.

COTADO PARA VICE
Andrade é ex-ministro da Agricultura da presidente Dilma Rousseff (PT) e hoje é cotado para ser vice-governador na chapa do petista Fernando Pimentel, com quem seu partido negocia uma aliança no Estado.

Ele não foi localizado nesta quart (28) e não respondeu aos recados da reportagem. Em seu gabinete em Brasília, a informação era de que ele estava em Uberaba (MG).

O PSDB negou a suposta oferta de dinheiro ao PMDB de Minas Gerais, em troca de apoio nas eleições de outubro ao pré-candidato tucano, Pimenta da Veiga.

O deputado federal Marcus Pestana, presidente do PSDB de Minas, chamou de “mentira brutal” e “delírio” a suposta oferta de dinheiro.

O deputado mineiro divulgou a cópia da interpelação judicial que fará contra Andrade no STF (Supremo Tribunal Federal) e afirmou que estuda processá-lo.

Em nota, ele afirmou que “nunca houve qualquer conversa da direção do PSDB de Minas Gerais com o mencionado deputado”. E disse que a fala de Andrade incorre em “irresponsabilidade”.

“Não sei o que está por trás disso nem como alguém joga uma calúnia dessa no ar, uma acusação de gravidade descomunal”, afirmou.

Segundo Pestana, sua única reunião com o PMDB ocorreu há três meses, “à luz do dia e à frente da imprensa”, quando ele pediu que o partido passasse a dialogar com aliança que dá sustentação aos tucanos no Estado”.

Procurado, o pré-candidato do PSDB ao Palácio do Planalto, Aécio Neves, não quis comentar o caso.

Folha de S. Paulo


Comments are closed.