Conheça algumas verdades comprovadas e mitos sobre sexo

falando_sexo
divulgação

1- O ponto G gera um prazer maior às mulheres

INCONCLUSIVO: “Como ainda não está cientificamente comprovada a existência do ponto G, não se pode afirmar que ele teria este poder”, afirma a psiquiatra da USP Carmita Abdo. O ginecologista do Hospital 9 de Julho, José Domingos Borges, diz que o ponto G é uma área de difícil determinação em órgãos genitais. “Algumas mulheres relatam maior prazer ao estímulo neste ponto que, supostamente. estaria localizado na parede vaginal anterior”.

2- Quem faz sexo oral não precisa usar proteção

MITO: muitas DSTs (doenças sexualmente transmissíveis) podem ser passadas por sexo oral sem proteção. A psiquiatra Carmita Abdo alerta que no caso do homem que vai receber, usa-se camisinha. “Se for a mulher, é necessário um isolamento das secreções da genitália, como um celofane ou camisinha feminina. Isso realmente torna o sexo menos atrativo, mas previne vírus como HPV e HIV”. O urologista Edgar Romanato, do Hospital 9 de Julho, lembra que outra doença grave pode ser transmitida desta forma, a hepatite. “Portanto, sexo oral deve ser praticado com uso de preservativos”, enfatiza.

3- Durante o período menstrual é impossível engravidar

PARCIALMENTE VERDADE: o ginecologista do Hospital 9 de Julho José Domingos Borges diz que isso não é impossível, mas a probabilidade é mínima, pois o período menstrual antecede o início de estimulação hormonal para que se comece o crescimento dos óvulos nos ovários, ou seja, o período menstrual é um período infértil. A psiquiatra Carmita Abdo afirma, no entanto, que pode ocorrer uma ovulação inesperada. “Isso não é comum, mas é possível. Mais um motivo para usar camisinha, afinal, o sangue menstrual pode transmitir doenças”.

4- Sexo faz bem para o coração e a pele

VERDADE: “Sexo faz bem para a pele, sim, pois a sensação de felicidade e bem-estar que ele proporciona libera endorfinas”, afirma a dermatologista Daniela Lemes. A psiquiatra Carmita Abdo concorda: “Sem dúvida. É uma atividade física que gera prazer, combate a ansiedade, e a liberação de endorfinas reverte para a saúde física e emocional”. O ginecologista do Hospital 9 de Julho José Domingos Borges completa dizendo que a prática sexual é uma atividade que melhora o preparo físico e a circulação; consequentemente, aprimora o trabalho cardíaco.

5- Homens têm mais desejo sexual que mulheres

MITO: a psiquiatra Carmita Abdo diz que isso acontece mais quando a mulher entra na menopausa, pois há uma diminuição na lubrificação e o sexo pode passar a ser desconfortante e o desejo, diminuir. Assim, ela passa a evitar o sexo, diferentemente do homem, que não para de produzir hormônios. O urologista Edgar Romanato acredita que o fato de o homem ter testosterona em muito maior quantidade que a mulher faz com que tenha mais desejo sexual. Porém, ele lembra que existem outras causas envolvidas na libido de cada um e este é apenas um dos fatores. O ginecologista José Domingos Borges frisa que a excitação masculina é diferente da feminina: “A mulher tem necessidade de mais sofisticação e cuidados. Isso passa a ideia que o homem tem mais desejo que ela”.

6- Nenhum pênis é grande demais para uma vagina

PARCIALMENTE VERDADE: o urologista do Hospital 9 de Julho Edgar Romanato diz que pênis com tamanho acima da média podem causar desconfortos durante uma relação sexual. A psiquiatra da USP, Camita Abdo, completa: “De modo geral, o pênis tem tamanho compatível com o da vagina, que é elástica. Porém, incursões violentas, como bater a glande no fundo da vagina, podem machucar, sim”.

7- Tamanho não é importante; mulheres preferem um pênis grosso a um longo.

VERDADE: a psiquiatra Carmita Abdo diz que suas pesquisas com mulheres mostram que é uma regra o pênis fino não agradar: “É uma queixa mais frequente que a do tamanho. Grossos agradam mais, o que também não quer dizer que o tamanho não seja importante. A mulher sente menos satisfação porque o atrito com a parede da vagina dá mais prazer e o pênis mais fino, em suas incursões, não é tão estimulante”.

8- Fazer sexo na água mata o espermatozoide

MITO: Edgar Romanato, urologista do Hospital 9 de Julho, diz que pode até ocorrer a morte de alguns espermatozoides em determinado meio e com alteração de temperaturas, mas esse não é um método anticoncepcional confiável. A psiquiatra da USP Carmita Abdo comenta que a mulher que termina o ato e vai ao banheiro usar chuveirinho dentro da vagina, por exemplo, teria menos chance de engravidar que outra que fica deitada aproveitando o momento, mas isso não é garantido

9- Os seios da mulher aumentam durante as preliminares

VERDADE: o ginecologista do Hospital 9 de Julho José Domingos Borges diz que pode haver maior intumescimento de mamilos e das glândulas mamárias, sim. A psiquiatra Carmita Abdo afirma: “Quando a mulher se excita, as extremidades de seu corpo recebem mais sangue, ficando regurgitadas, turgidas. Então, claro, os seios também aumentam de tamanho”.

10- O tamanho do pé, da mão ou do nariz determina o do pênis

MITO: o urologista Edgar Romanato, do Hospital 9 de Julho, conta que nenhum trabalho científico confiável comprova tal correlação. A psiquiatra Carmita Abdo acredita que as pessoas fazem brincadeiras relacionando os tamanhos de pé, mão e nariz com o pênis, porque ele também é uma extremidade do corpo, mas lembra que nem sempre esta máxima corresponde à realidade

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Corpo de homem é encontrado em matagal próximo à BR-365

Polícia investiga paradeiro do veículo roubado em latrocínio que vitimou Paulo França, filho de ex-vereador