Aécio tenta evitar defecções de aliados e o afastamento de financiadores

Digiqole Ad
Aécio Neves inaugura comitê de campanha em São Paulo, na Av. Indianópolis, 1123
Aécio Neves inaugura comitê de campanha em São Paulo, na Av. Indianópolis, 1123 | Luiz Carlos Murauskas/Folhapress

 “Olha, Aloysio, eu não sei aonde é que nós vamos chegar, mas saber que vou chegar junto com você já é uma vitória.” A frase, dita pelo presidenciável Aécio Neves na última quarta-feira (27) ao seu vice, foi o mais perto que o tucano chegou de uma confissão pública sobre a hesitação que se instalou em sua campanha nos últimos dias.

Na noite anterior, havia recebido a confirmação do que suas pesquisas internas já apontavam: tinha perdido o segundo lugar na disputa para Marina Silva, que assumira a candidatura do PSB após a morte de Eduardo Campos.

Rebaixado ao terceiro posto, Aécio tenta evitar defecções precoces e o afastamento dos financiadores de sua empreitada. Tem dito sempre que confia em seu projeto e que as pesquisas vão mudar. a seu favor.

A exceção foi o evento em que, após ouvir uma fala exaltada de seu companheiro de chapa, o senador Aloysio Nunes (PSDB), fez o desabafo. Depois disso, não tirou mais a camisa do otimismo, ao menos em público.

Nos últimos dias, Aécio refez toda a estratégia da campanha. A partir da próxima semana, vai subir o tom contra a nova adversária e explorar na TV o que considera fragilidades de Marina, sem descuidar das críticas à presidente Dilma Rousseff (PT).

O tucano se apresentará como a “alternativa segura” entre a presidente que “fracassou” e uma candidata “cheia de boas intenções”, mas ainda “incipiente” para executar suas ideias.

Na sexta-feira (29), a notícia de que o país entrou em “recessão técnica” deu força a esse argumento. No comitê de Aécio, a síntese do discurso de reação é: “Dilma levou o país a essa situação. Marina não tem experiência para tirar. Aécio tem”.

A aliados, o tucano tem dito que espera uma “retomada da racionalidade” no eleitorado após o dia 15 de setembro. Até lá, avalia, o cenário estará contaminado pela exposição que a morte de Campos deu a Marina.

“O Arminio [Fraga, economista que, se eleito, Aécio promete nomear ministro da Fazenda] passa dia e noite com 30, 40 caras analisando todos os dados, todos os índices. Uma hora isso vai fazer diferença”, desabafou recentemente com um aliado.

Aécio tem ouvido muitas avaliações sobre a “onda” Marina. Há dez dias, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso manifestou preocupação com o caráter “autônomo” com que ela faz política. FHC disse em reunião com aliados que Marina “salta instituições” e independe de estrutura partidária. Um problema para Aécio.

INTERVENÇÃO

O presidenciável tenta reverter o quadro promovendo um “freio de arrumação” nos dois maiores colégios eleitorais do país: São Paulo e Minas Gerais, seu reduto político. Na próxima semana, o foco será a reorganização em Minas. Seu candidato ao governo, Pimenta da Veiga (PSDB), está 17 pontos percentuais atrás de Fernando Pimentel (PT).

Aécio tem sido cobrado a dar mais atenção ao Estado, para evitar derrota dupla no primeiro turno: a nacional e a mineira. Sua equipe, no entanto, não quer que ele pare de viajar e defende mudanças na comunicação de Pimenta. Aécio aparece pouco na propaganda do aliado.

O presidenciável tenta, ainda, manter o PSDB paulista ao seu lado. Os tucanos do Estado sempre representaram o maior flanco de resistência à sua candidatura.

Agora que Marina lidera as intenções de voto em São Paulo, Aécio teme um desembarque gradual de sua candidatura, especialmente pelo histórico entre ele e os principais líderes da sigla.

Em 2006 e 2010, o governador Geraldo Alckmin e José Serra, respectivamente, concorreram ao Planalto e creditaram parte da derrota ao “pouco empenho” de Aécio.

Agora, um dia após as pesquisas revelarem o mau momento de Aécio, Alckmin exibiu vídeo do vice de Marina em sua propaganda na TV. O mineiro não reagiu. Ele, que surfava quando jovem, antes de o avô Tancredo o arrastar para a política, encontrou refúgio num mote do passado: “Vou furar essa onda”.

Veja também:

Apoio:

Alexandre Santos Gomes advogado em Capinópolis

Central de Jornalismo

https://www.tudoemdia.com

Leia também

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Bloqueador de Publicidade

Detectamos um bloqueador de publicidade no seu navegador. Por gentileza, apoie o jornalismo independente brasileiro

Refresh

error: A cópia do conteúdo do Tudo Em Dia é proibida