Direção de hospital de Uberlândia é denunciada pelo Ministério Público

Hoje em Dia / Jornal

MP denuncia diretores do Hospital Santa Catarina
MP denuncia diretores do Hospital Santa Catarina
O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) denunciou quatro médicos e sócios majoritários do Hospital Santa Catarina, em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, por associação criminosa, estelionato, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica. Entre os acusados, está o ex-secretário municipal de Saúde da cidade.
A reportagem do Hoje em Dia (Jornal da Capital Mineira) entrou em contato com o hospital, mas uma funcionária se recusou a informar o telefone da assessoria de imprensa da unidade de saúde e, após conversar com uma terceira pessoa, disse que o estabelecimento não iria se pronunciar sobre o caso.
Segundo a denúncia, investigada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), os médicos criaram e contrataram uma empresa de fachada e obtiveram vantagem ilícita de R$ 6 milhões em face do hospital e demais médicos acionistas, entre 2011 e 2013,
Os profissionais teriam arquitetado um plano e se tornaram sócios majoritários do estabelecimento de saúde. Depois, criaram e contrataram uma empresa de fachada para prestar serviços – o que nunca ocorreu – ao próprio hospital e obtiveram vantagem ilícita de R$ 6 milhões em prejuízo aos acionistas minoritários e ao próprio Santa Catarina.
No documento encaminhado à 3ª Vara Criminal de Uberlândia, os promotores de Justiça do Gaeco Uberlândia detalham o passo a passo dos denunciados para obter as vantagens. Inicialmente, segundo a denúncia, os médicos planejaram se tornar sócios majoritários do hospital sem investir qualquer recurso próprio. Para isso, conseguiram, em 2009, a aprovação do aumento de capital social do estabelecimento e adquiriram quase todos os novos lotes, passando a controlar mais de 50% das ações. Para efetuar a integralização das ações adquiridas, os denunciados obtiveram inúmeros empréstimos.
Já como gestores do hospital, em 2011, segundo o Gaeco, os acusados fundaram uma empresa prestadora de serviços médicos e hospitalares, a qual, 10 dias depois de sua criação, foi contratada por eles mesmos para prestar serviços ao Santa Catarina pelo valor mensal de R$ 250 mil. Porém, conforme apurado pelo grupo especial, a empresa não prestou qualquer serviço novo durante o período do suposto contrato – até outubro de 2013.
“Era somente uma empresa de fachada, cujo objetivo era simular a prestação de serviços ao Hospital Santa Catarina a fim de que fosse possível aos denunciados a obtenção de vantagem ilícita”, esclarecem, na denúncia, os promotores de Justiça. O MPMG aponta ainda que, durante o período, a prestadora de serviços emitiu diversas notas fiscais de conteúdo falso, além de ter pago parte das dívidas contraídas pelos médicos representantes da empresa prestadora de serviços.
Assim, o MPMG considerou claras a associação criminosa e a prática de inúmeros crimes de estelionato, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica em face do hospital e de seus demais acionistas. Os denunciados podem pegar até 23 anos de prisão caso sejam condenados pela Justiça.

Irmão traficantes são presos em Prata (MG) por suspeita de tráfico de drogas pela segunda vez

Documentário conta a trajetória do Presidente João Goulart (Jango)