Islâmicos reclamam de ‘insulto’ em nova edição de jornal satírico

LEANDRO COLON / ENVIADO ESPECIAL A PARIS PELO JORNAL FOLHA DE S. PAULO

charliehebdo1Líderes religiosos muçulmanos condenaram a nova edição do jornal francês “Charlie Hebdo”, a primeira após o ataque terrorista que matou 12 pessoas em sua sede, em Paris, em 7 de janeiro.

A imagem de Maomé, profeta islâmico, na capa, chorando e segurando um cartaz com a frase “Je Suis Charlie” (Eu Sou Charlie), foi considerada um “insulto” pelo Irã.

“O desenho fere o sentimento dos muçulmanos. O abuso da liberdade de expressão, estendido hoje no Ocidente, não é aceitável e deve ser impedido”, disse um porta-voz da Chancelaria do país.

Na Turquia, o vice-premiê, Yalcin Akdogan, afirmou que a edição do “Charlie Hebdo” é uma “difamação”. “Da mesma maneira que condenamos os ataques em Paris, condenamos provocações contra símbolos islâmicos”, disse.

Um tribunal turco chegou a proibir que sites reproduzissem a capa. No país, só o jornal “Cumhuriyet”, de Istambul e que faz oposição ao governo muçulmano, publicou algumas das charges desta edição do “Charlie Hebdo”. Para evitar ataques, o jornal recebeu proteção da polícia.

O jornal “Yeni Akit”, que apoia o governo, criticou o semanário francês pela imagem de Maomé. Além da capa, outras charges, publicadas nas páginas internas dessa edição, satirizam o islamismo.

Por meio de uma rádio, a facção radical Estado Islâmico acusou o “Charlie” de tentar “lucrar” após os ataques com uma edição que, para o o grupo, “insulta” o profeta.

Em nota, a União Mundial dos Ulemás, sediada no Qatar e presidida pelo pregador Yussef Al Qaradaoui, ligado à Irmandade Muçulmana, disse que o jornal não “é sensato”.

“Se concordamos que [os autores do ataque] são uma minoria que não representa o islã, como podem responder com atos que não são dirigidos a eles, mas ao profeta venerado por 1,5 bilhão de muçulmanos?”, indaga a nota.

A instituição religiosa de Al Azhar (Egito) pediu aos seus seguidores que ignorem a edição. Em comunicado, disse que a atitude do jornal francês é fruto da “imaginação doente que viola as restrições morais e civilizadas”.

“A posição do profeta Maomé é muito maior e sublime para ser ofendida por caricaturas imorais”, acrescentou.

A capa já era criticada antes mesmo de o jornal ir às bancas nesta quarta (14).

Quando a imagem escolhida foi divulgada, no começo da semana, líderes se anteciparam para repudiá-la, entre eles Shawqi Allam, mais alta autoridade religiosa egípcia.

Os integrantes do “Charlie” têm evitado polemizar.

Na terça (13), quando questionado sobre a escolha de Maomé para a capa, o cartunista Renald Luzier (Luz) afirmou que a charge é apenas a de um “homem que chora”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esquilo urina na cabeça da repórter durante programa ao vivo nos EUA

Representantes do Triângulo Mineiro são recebidos por juiz em Alagoas para tratar da venda das usinas do grupo JL