Oposição cobra investigação de circunstâncias da morte de promotor na Argentina

Alberto Nisman / Oposição cobra investigação de circunstâncias da morte de promotor
Alberto Nisman / Oposição cobra investigação de circunstâncias da morte de promotor

Os principais políticos argentinos deram declarações repercutindo a morte do promotor Alberto Nisman.

O deputado Sergio Massa, um dos pré-candidatos ao governo, pediu que o Congresso faça sessões extraordinárias para “denunciar e terminar” com o acordo com o Irã.

Segundo Nisman, o entendimento com a República Islâmica favoreceria suspeitos do atentado ao centro de convivência judaico Amia.

Outro presidenciável, o prefeito de Buenos Aires, Mauricio Macri, pediu rapidez na elucidação da morte e disse que o caso deve ser marcante para a Argentina.

Daniel Scioli, governador da Província de Buenos Aires e provável candidato kirchnerista, pediu que a Justiça seja célere e transparente.

Ernesto Sanz, senador e pré-candidato à Presidência pela União Cívica Radical, afirmou que “esse é o acontecimento mais grave desde a volta da democracia”.

Para o analista político Rosendo Fraga, a morte de Nisman pode ser o início do fim do kirchnerismo. “Os governistas vão se esforçar para demonstrar que Nisman se suicidou, e vão dizer que colaboram para que se esclareça a denúncia que ele fazia”.

O passo seguinte dos aliados de Cristina Kirchner, segundo outro cientista político, Ricardo Rouvier, é se dizer vítima de uma tentativa de golpe por parte da oposição em conjunto com “os meios concentrados” (os maiores grupos de mídia).

A Argentina terá eleições presidenciais em outubro, mas analistas dizem que ainda é cedo para dizer de qual maneira a morte do promotor irá influenciar.

PROTESTOS

No fim do dia, um ato marcado na Praça de Maio reuniu milhares de pessoas. Alguns levaram cartazes escritos “Eu sou Nisman”. Durante a concentração, houve momentos em que gritaram “assassina”, se referindo à presidente.

Mas muitos presentes no ato eram contra esse grito. O estudante Javier Borras, 23, afirma que Cristina não tem envolvimento com a tragédia de Nisman, embora critique a tentativa da mandatária de tentar dominar a Justiça.

Em alguns bairros, houve manifestações de grupos menores, que batiam em panelas como no ano de 2001.

Polícia aponta suspeito de matar empresária que foi achada em latão de lixo em Uberlândia

Mãe denúncia filho por tráfico de drogas em Patrocínio