Polícia aponta suspeito de matar empresária que foi achada em latão de lixo em Uberlândia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Kesia Freitas foi encontrada morta em Uberlândia (Foto: Reprodução/Facebook)
Kesia Freitas foi encontrada morta em Uberlândia
(Foto: Reprodução/Facebook)

Menos de 12 horas após ser encontrado o corpo da jovem Kesia Freitas Cardoso, de 26 anos, a Polícia Militar (PM) apontou um jovem de 23 anos como suposto autor do crime. Este jovem não foi encontrado e, segundo o delegado de homicídios, Mateus Possancini, que conduz a investigação, também não pode ser apontado como suspeito até que diligências sejam feitas para comprovar a relação dele com a vítima. “As diligências feitas ontem (segunda) não foram em consonância com esta delegacia e deverão ser verificadas, para se apontar um suspeito”, afirmou o delegado.

Kesia foi encontrada com um corte no pescoço e uma perfuração na cabeça, com as mãos amarradas, dentro de um tambor em uma rua do Distrito Industrial, na zona norte de Uberlândia. A jovem desapareceu na sexta-feira (16) e teria, segundo a perícia da PC, sido morta neste dia ou no sábado. Não havia no corpo indícios de violência sexual. Na noite de segunda (19), a PM informou ter conduzido um suspeito, enquanto que, na verdade, foram levados à delegacia o pai do jovem suspeito do crime e amigas da vítima.

Corpo de empresária foi encontrada em latão no Distrito Industrial (Foto: Polícia Militar MG/Divulgação)
Corpo de empresária foi encontrada em latão no Distrito Industrial (Foto: Polícia Militar MG/Divulgação)

A PM conseguiu chegar até o suspeito depois que uma ligação recebida pela vítima foi rastreada e apontou uma oficina mecânica no bairro Nossa Senhora das Graças, na zona norte de Uberlândia. Este suspeito seria funcionário e filho do gerente do estabelecimento. O tambor em que Kesia foi encontrada foi reconhecido como o latão de lixo usado na oficina, mas o suspeito, que havia ido trabalhar na manhã de segunda-feira (19), não foi localizado.

Segundo Possancini, o pai do suspeito e o dono da oficina se comprometeram a comparecer à delegacia para prestar esclarecimentos, o que, até o fim desta manhã, não aconteceu. “Se não vierem nós iremos intimá-los a comparecer para que possamos dar andamento no inquérito. Vamos ouvir as outras testemunhas, inclusive, para confirmar se a vítima era mesmo garota de programa.” Esta última informação teria sido apresentada por amigas da jovem à PM.

Informações obtidas pela PM na oficina levaram a outras suspeitas contra o jovem

Funcionários da oficina rastreada a partir do telefone de Kesia Cardoso afirmaram à Polícia Militar (PM) que apenas o dono do estabelecimento, o gerente, um funcionário e o jovem tinham a chave e poderiam acessar livremente o local. O dono do local e o gerente estavam em viagem e afirmaram não saber dos fatos.

A ligação para a vítima teria sido feita do telefone do estabelecimento na tarde de sexta-feira (16) e o suspeito não teria trabalhado naquela tarde. De acordo com um dos funcionários da oficina, o tambor em que Kesia foi encontrada estava na oficina até as 18h, quando o estabelecimento foi fechado. Ele era usado como latão de lixo.

Suspeito é casado e estaria esperando o nascimento de um filho

O suspeito apontado como autor do assassinato de Kesia Freitas Cardoso, de 26 anos, pela Polícia Militar (PM) está foragido. Ele é casado com uma jovem e, segundo informações da PM, ela estaria grávida do suspeito. Desde o fim da manhã desta segunda-feira (19), após o corpo de Kesia ser encontrado, dentro de um tambor, no Distrito Industrial, zona norte da cidade, o suspeito está desaparecido.

Vítima havia saído para encontro, segundo polícia

Segundo a Polícia Militar, testemunhas afirmaram que Kesia Cardoso era garota de programa e que o suspeito era seu cliente. Duas mulheres, que seriam amigas de Kesia Cardoso, encontrada morta nesta segunda (19), afirmaram à Polícia Militar (PM) que a vítima era garota de programa e estaria trabalhando junto com elas em um hotel na praça Tubal Vilela. No dia do crime, a jovem teria um encontro marcado com o suspeito, que ligou minutos antes para confirmar o programa. A reportagem do CORREIO de Uberlândia tentou contatar essas mulheres, mas nenhuma delas atendeu aos telefonemas.

De acordo com o registro de desaparecimento de Kesia, feito na sexta-feira (16), a jovem teria dito a outra amiga que iria conhecer um rapaz em um residencial, no bairro Jardim Célia, na zona oeste. Este residencial está em construção e não há moradores. A amiga disse à PM que ligou para a jovem, mas não foi atendida. Ainda segundo ela, a vítima não tinha o costume de deixar de atender ligações.

Segundo o engenheiro agrônomo Max Viana Panta, amigo de infância da jovem, a vítima teria recebido uma ligação desconhecida, na quinta-feira (15) à noite, e outra, na sexta-feira (16) pela manhã, e, à tarde, foi para um encontro. Até a data da primeira ligação, de acordo com ele, tudo estava bem quando conversou com ela.

Correio de Uberlândia

Veja também:

Apoio:

Alexandre Santos Gomes advogado em Capinópolis

1
2
3
4
5
1
2
3
4
5
1
2
3
4
5

Bloqueador de Publicidade

Detectamos um bloqueador de publicidade no seu navegador. Por gentileza, apoie o jornalismo independente brasileiro

Refresh

error: A cópia do conteúdo do Tudo Em Dia é proibida