Quadrilha é presa por fraude ao furtar pulsos telefônicos da Algar
Quadrilha é presa por fraude ao furtar pulsos telefônicos da Algar

Cinco homens foram presos, na madrugada de ontem, sob acusação de furtar pulsos de linha telefônica internacional da empresa Algar Telecom (CTBC) para habilitação de aparelhos. Um dos acusados é funcionário da empresa. Acredita-se que o prejuízo com a fraude gire em torno de R$110 mil somente nos últimos dias. A prisão aconteceu na rua Saldanha Marinho, no bairro Abadia, onde existe uma estação de radiobase de telefonia móvel e fixa da Algar Telecom. Dos cinco presos pela Polícia Militar, três tiveram suas prisões em flagrante ratificadas pela autoridade policial e dois foram liberados e serão investigados pela Polícia Civil.

O analista de telecomunicações da Algar Telecom S.F.S., 40 anos, acionou a Polícia Militar, por volta de 0h30, e relatou que há dias o serviço de inteligência da empresa vem monitorando atividade suspeita no local. Na madrugada de ontem, se deparou com dois homens no interior do terreno. Um deles foi detido e identificado como técnico em informática, S.M.A., 31. Em conversa com os militares, ele informou ser natural da cidade de Rio Verde (GO) e que está em Uberaba desde o dia 16, de onde foi convidado pelo pedreiro E.A.B., 28, o qual informou que fazia fraudes em serviços de telefonia e que pagaria R$500 para que realizasse alguns desses serviços.

Tais serviços, segundo o representante da empresa Algar Telecom, trata-se de furto de pulsos internacionais de clientes da empresa. Em seguida, o acusado informou que seu comparsa morava na rua Inglaterra, no bairro Boa Vista. Os militares chegaram ao local e se depararam com o suspeito E.A.B. e o técnico em telefonia F.A.S., 25, o qual estava em um veículo da empresa Algar Telecom. Com os dois foram localizados alguns aparelhos, como notebooks, modems e celulares.

Continua após a publicidade

A Perícia Técnica da Polícia Civil compareceu ao local onde existe a torre e lá encontrou 39 aparelhos telefônicos (todos conectados em linhas telefônicas), um notebook e um aparelho celular, onde estavam através de mensagens as explicações para o cometimento da fraude. Ainda de acordo com o representante da empresa Algar Telecom, a fraude começou às 20h16 e o grupo já havia furtado 5.975 minutos internacionais, avaliados em cerca de R$30 mil. Ele também disse que a fraude vinha ocorrendo há dias e que o prejuízo pode chegar a R$110 mil para a empresa. Tais pulsos seriam retirados das contas de clientes da telefonia fixa e móvel da Algar Telecom, que, depois que reclamavam, seriam ressarcidos pela empresa.

Os outros dois suspeitos que estavam em uma casa na rua Inglaterra são os pedreiros J.E.F.F., 41, e J.C.R., 28. Eles contaram à Polícia Militar que são da cidade de São Paulo, montam torres de telefonia e que tinham sido convidados pelo pedreiro E.A.B. para realização de alguns serviços.

Também na casa foi localizado um Ford Fusion, de propriedade do acusado S.M.A. Todos foram levados à presença da autoridade policial no plantão da 1ª DRPC/5º DPC-MG, onde S.M.A., E.A.B. e o funcionário da empresa Algar Telecom, F.A.S., tiveram suas prisões em flagrante ratificadas por furto de pulsos telefônicos e levados à penitenciária de Uberaba. Os outros dois foram ouvidos e liberados. A Polícia Civil instaurou inquérito na manhã de ontem. Não está descartada a participação de outras pessoas na fraude.

Jornal da Manhã


Comments are closed.