Christopher Lee, o Saruman do filme “Senhor dos Anéis”, morre aos 93 anos

Ator interpretando - Saruman no filme "Senhor dos
Ator interpretando – Saruman no filme “Senhor dos Anéis”

Christopher Lee, ator britânico famoso por viver nos cinemas o vampiro Drácula nos anos 1950 e 1960 e o antagonista de longos cabelos brancos Saruman, das sagas “O Senhor dos Anéis” e “O Hobbit”, morreu na manhã do último domingo (7) de insuficiência cardíaca e respiratória, aos 93 anos. As informações foram divulgadas nesta quinta-feira (11) pelo site do jornal britânico “The Telegraph”.

Segundo o “Telegraph”, citando fontes próximas à família de Lee, o ator morreu no Hospital Chelsea e Westminster, em Londres. O artista estava se tratando havia três semanas, por conta de problemas respiratórios e cardíacos. No dia 27 de maio, ele completou 93 anos no hospital.

De acordo com o site britânico, o anúncio da morte de Lee demorou a sair porque a mulher do ator, a ex-atriz e modelo dinamarquesa Gitte Lee (nascida Birgit Kroencke) decidiu esperar até que todos os parentes próximos fossem avisados. O casal ficou junto por mais de 50 anos e teve uma filha, Christina Erika Lee, de 53 anos.

Lee também ficou conhecido por dar vida ao Conde Dookan, da série “Star Wars” (nos episódios II e III – “Ataque dos Clones”, de 2002, e “A Vingança dos Sith”, de 2005), ao personagem Frankestein e a vilões que tentavam atrapalhar as missões do agente 007 nos filmes de James Bond.

O ator trabalhou, ainda, em filmes do diretor Tim Burton, como “A Lenda do Cavaleiro sem Cabeça”, “A Fantástica Fábrica de Chocolate” e “Sombras da Noite”, e emprestou a voz a personagens de “A Noiva Cadáver” e “Alice no País das Maravilhas”.

Nascido em 1922, o britânico iniciou sua carreira na década de 1950 e foi considerado um dos melhores atores de sua época quando, em 1958, interpretou o Conde Drácula. Desde então, participou de dezenas de produções cinematográficas. Em 2009, recebeu o título de cavaleiro (“Sir”) concedido pela Coroa britânica.

Em novembro de 2015, será lançado um longa póstumo de Lee, o drama “Angels in Nothing Hill” (“Anjos em Nothing Hill”).

Carreira no heavy metal

Lee ainda teve uma carreira musical, que começou em 2004, quando foi convidado a narrar passagens de músicas da banda italiana de metal sinfônico Rhapsody of Fire. Sua atuação foi tão boa, que ele gravou uma canção do álbum e ainda chegou a participar de outros três discos do grupo.

Além disso, o ator britânico colaborou na regravação de um álbum da banda de metal Manowar e, em 2012, gravou seu segundo CD do gênero, “Charlemagne: The Omens of Death”, para comemorar seu aniversário de 90 anos.

Há pouco mais de um ano, em maio de 2014, Lee celebrou 92 anos com olançamento de um novo álbum de heavy metal, intitulado “Metal Knight”. O disco foi seu terceiro trabalho musical solo.

O álbum reúne quatro canções originais e mais três versões alternativas delas. Entre as faixas, há duas canções baseadas em musicais de Dom Quixote, clássico personagem de Miguel de Cervantes; além de “The Toreador March” (“A Marcha do Toreador”), da ópera “Carmen”, de George Bizet, e “My Way”, popularizada na voz de Frank Sinatra.

Em um vídeo publicado no YouTube na época, Lee falou sobre esse trabalho e destacou que Dom Quixote é o personagem de ficção “mais metaleiro” que ele já havia conhecido. “Ele só está tentando mudar o mundo sem importar com as consequências pessoais. É um grande homem e cheio de atrevimento, coragem, determinação, romantismo e sonhos”, afirmou o ator.

“Associo o heavy metal com a fantasia pelo tremendo poder que se desprende dessa música”, apontou Lee, que já havia demonstrado sua afinidade com o metal em várias ocasiões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Santa Vitória Açúcar e Álcool inicia suas operações industriais

Capinópolis terá corrida de KART neste fim de semana