Vereador é suspeito de ameaçar Procurador em Uberlândia

Denise Rocha e Fernanda Resende

Procurador Paulo Veloso foi ameaçado (Foto: Fernanda Resende / G1)
Procurador Paulo Veloso foi ameaçado
(Foto: Fernanda Resende / G1)

A Polícia Federal (PF) em Uberlândia investiga uma ameaça feita ao procurador do Trabalho Paulo Gonçalves Veloso. O suspeito da intimidação é o vereador e atual presidente do Sindicato dos Vigilantes, Juliano Modesto (Solidariedade). Ele teria mandado seguir e fotografar o procurador e familiares para que fossem mortos.

O vereador é réu em uma ação civil pública movida pelo MPT em abril contra a atual direção do Sindicato. Em reportagem publicada recentemente pelo portal de notícias da Globo, o procurador informou que Modesto é suspeito de receber doação de empresa do ramo de vigilância para financiar campanha eleitoral.

A denúncia da ameaça ao procurador chegou até o Ministério Público do Trabalho (MPT) na última sexta-feira (10). Na manhã desta segunda-feira (13), agentes da Polícia Federal cumpriram mandado de busca e apreensão na sede do Sindicato, no Bairro Aparecida, onde foram recolhidos documentos e equipamentos.

A Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho encaminhou um ofício para a Polícia Federal, para o Ministério da Justiça e Governo do Estado. O documento manifestava o repúdio da entidade à situação. Segundo a Associação, na última sexta-feira, Paulo Veloso recebeu contato, por telefone e pessoalmente, de um ex-dirigente sindical que informou que pessoas ligadas a Modesto teriam seguido e fotografado o procurador, familiares e carros particulares. As fotos, segundo o informante, já teriam sido repassadas para terceiros contratados para matar Veloso.

Segundo a Associação, será feita uma força tarefa na investigação do MPT contra o Sindicato dos Vigilantes.

O procurador preferiu não conceder entrevista no momento devido à gravidade da situação. Ele acrescentou que o caso já está a cargo da PF e que compartilha do repúdio e indignação da Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho.

O caso corre em segredo de Justiça e é considerado pela polícia como muito grave. Segundo o delegado chefe da PF, Carlos Henrique Cotta D’ Ângelo, o atentado em Monte Carmelo, em fevereiro, contra o promotor Marcus Vinícius Ribeiro deixou as autoridades em alerta. Na época, Ribeiro foi atingido por três tiros quando saía da promotoria, no centro da cidade.

Vigilantes evitam furto de fios de cobre na usina Vale do Paranaíba – Dois suspeitos foram presos

PM prende homem com duas espingardas em Centralina