in

Dia do Homem teve sala de espera no Bairro Ideal em Capinópolis

Dia do Homem teve sala de espera no Bairro Ideal
Dia do Homem teve sala de espera no Bairro Ideal

CAPINÓPOLIS, TRIÂNGULO MINEIRO  – Não só as mulheres devem estar atentas a seus preventivos, como também os homens, que tiveram um dia especial no PSF Ideal, Unidade Jarbas Fontoura.

Segundo a enfermeira e coordenadora do PSF Ideal, Fernanda Farid. No último dia 15, foi comemorado o Dia do Homem, onde a equipe do PSF Ideal juntamente com as residentes da UFU, fizeram uma Sala de Espera, falando sobre a importância dos cuidados com a saúde do homem, sobre o exame de próstata.

Os participantes também receberam informações quanto aos riscos do consumo de álcool e cigarro, e sobre os acidentes de trânsito, que na maioria das vezes envolvem homens.

“Foi muito bom esse dia, e tivemos a participação das residentes Daniele, enfermeira, Eliení assistente Social, e Anaísa, psicóloga”, disse Fernanda.

Dia do Homem teve sala de espera no Bairro Ideal
Dia do Homem teve sala de espera no Bairro Ideal

O trabalho preventivo é o objetivo maior do Programa Saúde da Família, onde semanalmente as equipes dos cinco PSFs da cidade, atuam também na zona rural, com grupos específicos, como puericultura, hipertensos, diabéticos, gestantes, dentre tantas outras atividades levadas à população nos bairros.

“São milhares de pessoas que passam pelas unidades semanalmente e essa atenção primária tem um resultado muito importante lá na frente, diminuindo consideravelmente os índices de internações”, acrescenta a secretária de Saúde, Simone Dantas.

Quanto à importância dos homens, de visitarem com mais frequências as Unidades de Saúde e se prevenir, em novembro do ano passado a Sociedade Brasileira de Urologia divulgou uma pesquisa realizada pelo instituto Datafolha sobre a percepção masculina em relação ao câncer de próstata e o temido exame de toque. Apesar de 76% dos entrevistados terem ciência deste tipo de detecção, somente 32% já o fizeram. Os números são mais alarmantes no nordeste onde apenas 36% dos homens vão ao urologista e na população de classe D/E, onde 74% nunca fez o exame de toque.