Tire suas dúvidas sobre o que muda na aposentadoria com o fator 85/95

A medida provisória 676 cria uma alternativa ao fator previdenciário, que penaliza quem se aposenta mais cedo, mas ainda é fonte de dúvidas.

[rev_slider aposentadoria]

Abaixo, esclareça algumas das principais:

1. A nova fórmula de cálculo já está valendo?

Sim. Como o governo editou uma medida provisória, ela tem validade a partir do momento da publicação, por dois meses, prorrogáveis por mais dois, enquanto aguarda a votação. Mas ainda pode ser modificada no Congresso.

Além disso, o sistema do INSS ainda não está adaptado ao fator 85/95 progressivo. Quem fez o pedido da aposentadoria pela regra nova, a partir de 18 de junho (dia da edição da medida) pode não ter o benefício calculado dessa forma, e sim pela regra antiga.

A diferença será ressarcida quando o sistema estiver plenamente ajustado, mas não há prazo para isso.

2. Com a nova fórmula, ainda há tempo mínimo de contribuição?

Sim. É preciso ter contribuído por pelo menos 15 anos para se aposentar por idade (60 anos para mulheres e 65 para homens) e por pelo menos 30 anos para se aposentar por tempo de contribuição.

3. Se for me aposentar agora, preciso usar a fórmula 85/95?

Não. A MP em vigor permite que se opte pelo cálculo mais vantajoso –em alguns casos, o fator previdenciário permite uma aposentadoria maior.

4. Se me aposentei há pouco pelo fator previdenciário e a nova fórmula for mais vantajosa, posso pedir mudança no cálculo?

Não. Vale a regra do momento da concessão da aposentadoria. Especialistas, no entanto, temem que haja corrida à Justiça de aposentados que se sintam prejudicados.

5. E se já entrei com o pedido pelo sistema antigo, mas ele ainda não foi deferido? Posso trocar?

Talvez. Quem agendou a entrada do pedido, pode cancelar e reagendar. Procure uma agência da Previdência para saber em que ponto de tramitação está o seu caso.

6. O que acontece se o Congresso modificar as regras da MP?

A presidente pode vetar as mudanças, mas o Congresso ainda pode derrubar os vetos.

O que acontece com quem fez o pedido nesse período vai depender de como a medida ficar no final.

Se houver alguma mudança substancial, o Congresso pode editar uma norma regulando a situação de quem fez o pedido no meio-tempo —determinando retroatividade, por exemplo.

Outra opção é que esses eventuais casos sejam resolvidos administrativamente, sem necessidade de uma norma —o INSS ressarciria automaticamente quem fez o pedido nesse período se houver prejuízo em relação à regra final.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Javali na pista causou acidente envolvendo prefeito de Cachoeira Dourada na MGC-154

Mais 30 casas populares serão construídas em Canápolis