Assembleia de Minas aprovou o aumento do ICMS para telefonia, Internet, tv a cabo e outros

MINAS GERAIS – Com diferença de apenas sete votos favoráveis, o Projeto de Lei 2.817/15 foi aprovado na Assembleia Legislativa de Minas Gerais na manhã desta terça-feira, em 1° turno. Foram 35 votos a favor e 28 contrários. O texto de autoria do Executivo estabelece aumento nas alíquotas do imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de vários produtos. O Projeto de Lei foi aprovado na forma do substitutivo número 2 que estabelece que os novos percentuais tenham validade entre 1º de janeiro do ano que vem até 31 de dezembro de 2019.

(foto: Willian Dias/almg )
(foto: Willian Dias/almg )

A nova alíquota do ICMS vai incidir sobre produtos considerados supérfluos, como bebidas alcoólicas, cigarros, armas, refrigerantes, ração tipo pet, perfumes e cosméticos, alimentos para atletas, telefones celulares, câmeras fotográficas e de vídeo, equipamentos para pesca esportiva e aparelhos de som e vídeo para uso automotivo, será elevada em dois pontos percentuais, como já prevê o projeto original.

O substitutivo nº 2 mantém a elevação, de 25% para 27%, da alíquota do ICMS sobre serviços de comunicação, como telefonia, internet e TV por assinatura. No caso da energia elétrica para consumidores comerciais, a alíquota do imposto passará de 18% para 25%, até 31 de dezembro de 2019.

Reação

Durante quase toda a manhã desta terça-feira, os parlamentares da oposição ao governo de Fernando Pimentel (PT) se revezaram no plenário para obstruir e tentar impedir a votação. Em coro, os parlamentares, que contavam com o apoio de manifestantes que lotaram as galerias, fizeram coro em criticar o texto e ao governador. Segundo os oposicionistas, o projeto contradiz o que foi prometido por Pimentel na época da campanha. “Não vejo na figura de Fernando Pimentel a altura de ser governador dos mineiros”, disse o deputado Sargento Rodrigues. Ainda segundo Rodrigues, todos os produtos do consumo vão aumentar. O deputado ainda criticou os colegas dizendo que é necessário “mais independência”. “Esse pacote de maldades vai afetar dos mais ricos aos mais pobres”, alertou.

Já Dalmo ribeiro Silva (PSDB) chamou o projeto de “irresponsabilidade” e disse que votaria contrário ao texto. “Não aguentamos mais tantos impostos. Não queremos mais energia, mas trabalho”. Em sua fala, o deputado João Leite (PSDB) focou em fazer críticas ao partido de Pimentel e da presidente Dilma Rousseff, o PT.

No momento em que o deputado Durval Ângelo (PT), líder do governo, subiu a tribuna para encaminhar pela aprovação do projeto, houve forte reação das galerias. O deputado ficou por cerca de 20 minutos aguardando, em vão, para conseguir falar. Nas galerias, os manifestantes gritavam contra o aumento do ICMS e ironizavam o partido do parlamentar, o PT. O cronômetro que contabiliza o tempo de fala dos parlamentares chegou a ser zerado por diversas vezes. Ângelo se recusou a falar enquanto ocorriam as manifestações contrárias. Devido ao impasse, o presidente da Assembleia, deputado Adalclever Lopes (PMDB), teve que suspender a sessão por 10 minutos para tentar resolver as divergências. Na volta dos trabalhos o texto foi aprovado.

Protestos

Durante a Reunião Extraordinária desta terça-feira nas galerias do plenário, representantes de sindicatos empresariais e comerciários exibiram faixas e protestaram contra o governo do estado. Militantes da oposição também protestaram e pediram o impeachment da presidente da República, Dilma Rousseff. Assim como fizeram na reunião dessa segunda-feira, os manifestantes  gritaram palavras de ordem e pediam que o projeto não fosse aprovado.

Estado de Minas

Falta de iluminação no parque JFB leva perigo aos morados do bairro Alvorada

Copasa inicia mais uma obra para reduzir perda de água em Capinópolis