Apesar de as prefeituras municipais estarem com os caixas vazios, a estratégia de intercalar, na carreira política, mandatos nas casas legislativas com mandatos à frente do Executivo continua atraindo parlamentares. Quase quatro dezenas de deputados estaduais e federais mineiros consideram, neste momento, abrir um parêntese em suas rotinas na Assembleia Legislativa e na Câmara dos Deputados para concorrer a prefeito no ano que vem. Em que pese a metade deles sair da corrida eleitoral negociando apoio e coligações às candidaturas mais promissoras, em média entre 20% e 30% daqueles que de fato disputarão deverão sair vitoriosos, segundo média histórica registrada a partir de 1992.

A estatística é da cientista política e pesquisadora da Escola de Magistratura do Estado do Rio de Janeiro, Simone Cuber de Araújo Pinto, especializada na análise das carreiras políticas. Entre 1992 e 2012, 480 deputados federais disputaram em todo o país eleições para prefeito. As chances de ganhar, contudo, são diferentes quando comparados os desempenhos dos deputados que concorrem em cidades de pequeno e médio porte em relação àqueles que enfrentam as campanhas nas grandes cidades. “O sucesso eleitoral de parlamentares em cidades pequenas é maior”, afirma a pesquisadora. Ao longo dos últimos 20 anos, enquanto nos pequenos e médios municípios um terço dos deputados “prefeitáveis” se elegeram; nos grandes, onde a competição eleitoral é muito maior, apenas 7% se sagraram prefeitos.

Se é mais difícil para deputados ganhar nas cidades grandes do que nas pequenas, por outro lado, as chances de reeleição desses “prefeitáveis” derrotados na disputa municipal é maior nas eleições gerais, dois anos depois. Levantamentos realizados pela pesquisadora indicam que ao longo do período da pesquisa, 246 deputados federais que se candidataram a prefeito e não se elegeram retornaram à Câmara dos Deputados. “Enquanto 82,1% daqueles que disputaram eleições para prefeito em grandes cidades tiveram a reeleição ao cargo legislativo assegurada dois anos depois; em média, 63% daqueles que concorreram em municípios pequenos foram reeleitos”, afirma a pesquisadora.

Continua após a publicidade

Visibilidade

Ao concorrer a cargos majoritários em grandes cidades, os “prefeitáveis” ganham em visibilidade, aumentando as suas taxas de conhecimento junto ao eleitorado. Ao mesmo tempo, ajudam com a candidatura própria a eleger mais vereadores – o que se observa com o crescimento dos votos de legenda: aumentam a própria influência dentro do partido e a sua participação na distribuição interna dos benefícios e contribuições amealhadas pela legenda para o financiamento das campanhas. Por tudo isso, mesmo quando perdem a disputa para as prefeituras, saem ganhando no pleito seguinte. “A chance de reeleição desses deputados aumenta”, considera a cientista política e pesquisadora Simone Cuber de Araújo Pinto.

Em grandes colégios eleitorais, como Belo Horizonte que nas eleições passadas registrou 1,9 milhão de eleitores, a concorrência política no território é tão grande quanto as possibilidades de explorar os diferentes nichos geográficos e ideológicos. Para a Assembleia Legislativa foram eleitos 14 deputados estaduais que concentram mais de 10 mil votos na capital. Encabeça o ranking dos mais votados o deputado estadual Mário Henrique Caixa (PCdoB), atual secretário de Estado de Turismo, que obteve na capital 46.424, pouco mais de um terço de sua votação. Para a bancada federal mineira, 22 deputados no exercício do mandato arrebanharam mais de 10 mil votos. Patrus Ananias (PT), ministro do Desenvolvimento Agrário, reuniu em Belo Horizonte 80.262 votos, pouco mais da metade de sua votação total.

Com tantos parlamentares concentrando votação no maior colégio eleitoral do estado, para a sucessão do prefeito Marcio Lacerda (PSB) 15 deputados estaduais e federais consideram, neste momento, engrossar a corrida à Prefeitura de Belo Horizonte. Em alguns partidos, há disputa interna pela indicação, com mais de um parlamentar trabalhando nos bastidores pela candidatura No PMDB – legenda com maior número de parlamentares pré-candidatos – quatro gostariam de ter a indicação: o deputado federal Leonardo Quintão, o deputado estadual licenciado Sávio Souza Cruz, que foi nomeado secretário de Estado do Meio Ambiente, além de Laudívio Carvalho e Rodrigo Pacheco, ambos deputados federais em primeiro mandato.

Também em Juiz de Fora, que em 2014 tinha um colégio eleitoral de 392.619, a competição é intensa: cinco parlamentares se lançam ou são lançados na corrida. “Gostaria muito de ser candidato”, afirma o deputado estadual Lafayette Andrada (PSDB). Mas há outras forças dentro do partido na cidade – a principal delas a do deputado federal Marcus Pestana (PSDB), que não se coloca como candidato, mas conduz o debate interno. “O PSDB de Juiz de Fora ainda não se posicionou”, afirma Andrada. Enquanto no PSB, o deputado federal Júlio Delgado quer concorrer, o PT tenta convencer a deputada federal Margarida Salomão a se candidatar novamente. Em primeiro mandato, o deputado estadual Noraldino Júnior e o federal Wadson Ribeiro (PCdoB) – suplente em exercício – também sonham em impulsionar a carreira política concorrendo a um cargo executivo.

Na guerra pré-eleitoral, o fogo é amigo. Muitos colocam os nomes. Poucos chegarão vivos até o final da batalha. De qualquer forma, ganhos há. “A maioria quer estar em evidência para ter o direito de se sentar à mesa e negociar cargos e posições num eventual futuro governo”, avalia o deputado federal Aelton Freitas (PR). É hora das apostas.

Potenciais candidatos a prefeito

BELO HORIZONTE
Jô Morais (PCdoB) Deputada federal
Mário Henrique Caixa (PCdoB) Deputado estadual licenciado secretário de Turismo
Sávio Souza Cruz (PMDB) Deputado estadual licenciado, secretário de Meio Ambiente
Leonardo Quintão (PMDB) Deputado federal
Rodrigo Pacheco (PMDB) Deputado federal
Laudívio Carvalho (PMDB) Deputado federal
Sargento Rodrigues (PDT) Deputado estadual
João Vítor Xavier (PSDB) Deputado estadual
Paulo Abi-Ackel (PSDB) Deputado federal
Miguel Corrêa Júnior (PT) Deputado federal licenciado, secretário de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
Eros Biondini (PTB) Deputado federal
Diego Andrade (PSD) Deputado federal
Marcelo Aro (PHS) Deputado federal
Lincoln Portela (PR) Deputado federal
Marcelo Álvaro Antônio (PRP) Deputado federal

JUIZ DE FORA
Lafayette Andrada (PSDB) Deputado estadual
Noraldino Júnior (PSC) Deputado estadual
Júlio Delgado (PSB) Deputado federal
Wadson Ribeiro (PCdoB) Deputado federal
Margarida Salomão (PT) Deputada federal

BETIM
Geraldo Pimenta (PCdoB) Deputado estadual
Ivair Nogueira (PMDB) Deputado estadual

UBERABA

Antônio Lerin (PSB) Deputado estadual

UBERLÂNDIA
Odelmo Leão (PP) Deputado federal
Weliton Prado (PT) Deputado federal

MONTES CLAROS
Paulo Guedes (PT) Deputado estadual licenciado e secretário de Desenvolvimento e Integração do Norte e Nordeste de Minas

SÁBARÁ
Wander Borges (PSB) Deputado estadual

ITABIRITO

Alencar da Silveira (PDT) Deputado estadual

CONSELHEIRO LAFAIETE
Glaicon Franco (PTN) Deputado estadual

SANTA LUZIA
Cristina Corrêa (PT) Deputada estadual

SETE LAGOAS
Douglas Melo (PSC) Deputado estadual

NOVA SERRANA
Fábio Avelar (PTdoB) Deputado estadual

TEÓFILO OTONI

Neilando Pimenta (PP) Deputado estadual

DIVINÓPOLIS
Fabiano Tolentino (PPS) Deputado estadual

PATROCÍNIO
Deiró Marra (PR) Deputado estadual

CORONEL FABRICIANO
Celinho do Sinttrocel (PCdoB) Deputado estadual

GOVERNADOR VALADARES
Leonardo Monteiro (PT) Deputado federal
Bonifácio Mourão (PSDB) Deputado estadual

Jornal EM


Comments are closed.