Lavouras do Pontal do Triângulo estão sendo destruídas por javalis

Os Javalis estão provocando medo nos produtores rurais da região do Pontal, onde além dos ataques quando em bandos, estão destruindo as nascentes (minas d’água), além das lavouras de milho, soja e sorgo em toda região.

O alerta foi feito nesta semana pelo presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Capinópolis e Cachoeira Dourada, Wesley Barbosa Freitas, que visitou algumas áreas destruídas pelos bandos na última semana, além dos danos que causam com a extinção de outras espécies, com o pisoteio em ninhos especialmente.

Desde 2008 o problema vem sendo registrado em Minas, e pesquisa feita pela FAEMG – Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais em 2011 apontava prejuízos causados pela invasão dos javalis em 19 municípios do estado, localizados ao longo do corredor entre o Triângulo e o Sudoeste Mineiro. Além de destruir as lavouras e nascentes, a pesquisa indicou que os animais têm aterrorizado a população por sua natureza agressiva.

Somente nos últimos três anos foram registrados ataques a pessoas em Ituiutaba, Prata, Carangola e Ibiá – onde os javalis mataram uma pessoa em 2010.

O javali consta na lista das 100 piores espécies exóticas invasoras do mundo e provoca graves problemas econômicos, sociais e ambientais em vários países onde foi introduzido, segundo o Ibama. Na parte ambiental, ele pode matar diversas espécies nativas da flora, provocar a diminuição da diversidade de plantas, eliminar espécies de invertebrados, se alimentar de ovos e filhotes de animais nativos e transmitir doenças para os animais da região. O javali também pode causar impactos sociais e econômicos por meio do ataque aos seres humanos, aos animais domésticos, destruição de plantações em áreas agrícolas e transmissão de doenças para homens, bovinos, suínos, seus cães, gatos e outros bichos de estimação.

Na madrugada de segunda-feira (06) de Junho, três caçadores foram presos em Capinópolis após denúncia anônima. Os três não tinham porte legal, nem registro das armas de fogo utilizadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entrada das escolas do Município de Capinópolis ganham sinalização de trânsito

“Não quer fazer (a entrevista) no meu colo?”, teria dito Biel a repórter