Comunidade participa de mais uma etapa do projeto moçambicano de promoção da leitura
Comunidade participa de mais uma etapa do projeto moçambicano de promoção da leitura

ITUIUTABA, TRIÂNGULO MINEIRO – Com a presença de diversas pessoas ligadas ao cenário cultural e educacional de Ituiutaba, foi realizada mais uma etapa do projeto “A Formiga Juju e o Professor Moskito”, idealizado a partir de um conto moçambicano de Cristiana Pereira, com ilustração de Walter Zand.

A noite de estreia, que aconteceu no dia 15 de junho e lotou o auditório do Conservatório Estadual de Música “Dr José Zóccoli de Andrade”, proporciou aos presentes momentos de muita emoção, que tiveram como atores principais os alunos das escolas de Ituiutaba.

Continua após a publicidade

A Formiga Juju é um movimento cívico de promoção da leitura e expressão criativa, direcionado para crianças em situação de vulnerabilidade. Fundado em Moçambique em 2012, o movimento está presente em outros países (Brasil e Portugal) através de cidadãos solidários e organizações parceiras que ajudam a espalhar a mensagem. Para além da publicação de materiais didáticos, com conteúdos socialmente responsáveis e culturalmente relevantes, o movimento dedica-se à construção de “livrotecas” móveis que visam massificar o acesso ao livro entre populações de baixa renda.

O evento é uma realização da Prefeitura Municipal de Ituiutaba, com o apoio da Secretaria Municipal de Educação, Esporte e Lazer (SMEEL), E. M. CIME Tancredo de Paula Almeida, Universidade do Estado de Minas Gerais – Unidade Ituiutaba, Superintendência Regional de Ensino, Conservatório Estadual de Música “Dr. José Zóccoli de Andrade” e E. E. Governador Bias Fortes.

Na abertura da noite de estreia, a subsecretária de Educação, Alciene Santos, falando em nome da secretária municipal de Educação, Esporte e Lazer, Lázara Maria Moraes, discorreu sobre a importância do evento.

“Este projeto é muito importante para a comunidade, porque visa promover, através do trabalho conjunto de educadores e alunos, momentos de estudo sobre a cultura africana, tão presente em nosso cotidiano, por meio de uma linguagem simples e acessível a todas as classes sociais, instigando nos jovens o gosto pela literatura”, enfatizou Alciene.


Comments are closed.