personagens, turma da mônica, galinha pintadinha, bululu, bob zoom, bita, jacarelvis, galinha, pintinho amarelinho, bia e nino

PERSONAGENS

TURMA DA MÔNICA
Turma da Mônica é uma série de histórias em quadrinhos criada pelo cartunista e empresário Mauricio de Sousa. A série foi originada em 1959 em uma série de tirinhas de jornal, na qual os personagens principais eram Bidu e Franjinha.[1] A partir dos anos 1960, a série começou a ganhar a identidade atual com a criação de Mônica e Cebolinha, entre 1960 e 1963, que passaram a ser os protagonistas.
Embora a maior parte das histórias girem em torno das aventuras de Mônica, Cebolinha e seus amigos do bairro do Limoeiro, o termo do título se refere também às demais famílias de personagens criados por Mauricio de Sousa, derivadas de outras séries, como Turma do Chico BentoTurma da TinaTurma da MataTurma do Penadinho, entre outros. Desde 1970, na forma de revista em quadrinhos, os personagens já foram publicada por editoras como a Abril (1970-1986), a Globo (1987-2006)[2] e Panini Comics (2007 até a atualidade), somando quase 2.000 revistas já publicadas para cada personagem.[3] Além disso, também segue com publicação especial de tiras no formato de bolso pela própria Panini[4] e pela L&PM.
Em 2008 foi criado um spin-off baseado no estilo dos quadrinhos japoneses intitulado Turma da Mônica Jovem, com os personagens adolescentes.[5] Em 2015, a linha passou por uma reformulação, a Panini reiniciou a numeração das revistas e passou a creditar autores em algumas histórias (algo que acontecia apenas em publicações especiais), além disso, cada edição passou a trazer um QR Code que permite a acesso a conteúdos exclusivos em plataformas virtuais.[6]
A Turma da Mônica tem gibis e outros produtos licenciados em 40 países e com 14 idiomas, sendo que a marca foi expandida para outras mídias ao longo dos anos, em produtos como livrosbrinquedosdiscosCD-ROMsjogos eletrônicos, entre outros.
BULULU
bululu-nave2
O monstrinho “Bululu”, vindo de outro mundo, fez sucesso inicialmente em Minas Gerais, onde foi idealizado e criado por jornalista e administrador de empresas Paulo Braga. O monstrinho “mineirinho” não foi criado em Varginha – a capital do E.T – mas em Uberlândia, no Triângulo Mineiro.
O Bululu é um personagem infantil que nasceu no planeta “Bulu”, que fica em uma galáxia muito distante. Em suas viagens intergalácticas, Bululu acabou conhecendo o planeta Terra e viaja pelo Brasil conhecendo a rica cultura brasileira. Bululu sempre está em companhia de seu animalzinho de estimação – “Crabulu”.
As músicas do projeto são do folclore brasileiro e tem o objetivo de educar e entreter crianças de 0 a 4 anos de idade.
BOB ZOOM
Bob Zoom é uma formiguinha azul divertida e charmosa, estrela de uma série de vídeos musicais, cantados em inglês, português e espanhol, que brinca e vive aventuras com sua turma.Todo o conceito foi concebido por profissionais experientes e qualificados em educação e musicalização infantil. Em seus vídeos, o personagem estimula brincadeiras que auxiliam no desenvolvimento das habilidades fundamentais das crianças, promovendo a coordenação motora, a percepção visual, a concentração e a orientação espacial de forma lúdica e simples.
GALINHA PINTADINHA
Em 28 de dezembro de 2006, a dupla decidiu adicionar uma animação infantil no website YouTube para apresentação a alguns produtores de um canal infantil de São Paulo, pois não teriam como comparecer à reunião. Os executivos não aprovaram o vídeo e a ideia inicial não vingou. Porém seis meses depois, a dupla, que não havia removido o vídeo do website, percebeu que o número de visualizações estava bastante expressivo, cerca de 500 mil.
Percebendo a possibilidade de sucesso, o projeto seguiu adiante então com a criação do DVD Galinha Pintadinha e Sua Turma, que contava com animações em 2D com personagens infantis e canções de domínio público. O áudio incluía cantigas de várias gerações, como “A Barata”, “Indiozinhos”, “Escravos de Jó” e “Marcha soldado”.
Em 2010, já com o apoio da Som Livre a equipe criou o segundo DVD, intitulado Galinha Pintadinha 2. O DVD também incluia cantigas clássicas, como “Atirei o pau no gato”, “Alecrim Dourado”, “Sapo Cururu” e “Se Essa Rua Fosse Minha”.[4]Já no primeiro mês, foram mais de 100 mil cópias vendidas, o que garantiu a premiação com disco de platina duplo.
Até 2015, a marca está na 89º posição mundial nas 150 marcas licenciadas que mais faturam no mundo, aparecendo na Forbes Brasil.
No ranking criado pela ABPD para o mercado brasileiro de música, o segundo DVD do projeto foi o sexto DVD mais vendido em 2010[8], e o 17º mais vendido de 2011.
Com o sucesso dos DVDs, nos últimos tempos o projeto também se focou na venda de outros produtos como pelúcias, jogos, livros e aplicativos para smartphones.
Além do espetáculo lúdico Galinha Pintadinha Turnê Oficial[11], o projeto também chegou ao palco dos musicais, com o Galinha Pintadinha: O Musical.[12] O Musical conta com a direção de Ernesto Piccolo, que já foi indicado duas vezes para o prêmio Shell.
Hoje em dia, o clipe que deu início a tudo já foi visto mais de 160 milhões de vezes.[15] O site oficial mostra que o número de visualizações totais no YouTube passa de 1.000.000.000 (1 bilhão), primeiro canal brasileiro a atingir esta meta[16]. A equipe também divulga que já foram vendidos mais de 450 mil DVDs oficiais, o que resultou no recebimento de dois discos de platina triplo.
O sucesso do projeto fez com que ele recebesse uma paródia sua no programa humorístico da Rede Globo Tá no Ar: a TV na TV em 2015, a Galinha Preta Pintadinha. Em novembro de 2016 foi indicada como uma das finalistas da categoria Infantil Televisão.

MUNDO BITA

“Antes, quando tínhamos a empresa de tecnologia, recebia dez emails por dia – todos eram reclamações de clientes. Hoje, recebo cem: são pais me agradecendo pelo desenho existir, me contando como aquilo impacta na vida dos filhos deles. Bita é uma celebridade”, conta o empresário Felipe Almeida, que ao lado dos sócios João Henrique, Chaps Melo e Enio Porto, fazem parte da Mr. Plot, empresa responsável pela criação da animação Mundo Bita. Com três discos lançados desde 2013 (um deles, Bita e os Animais, ganhou o Disco de Ouro), quase 70 milhões de visualizações no Youtube e no ar no canal por assinatura Discovery Kids, Bita é de fato uma celebridade, e causou uma revolução na vida dos empresários. “Tinha uma empresa de TI, agora estou no showbiz”, brinca Almeida.

A tal empresa de tecnologia é a Quarta Dimensão, que presta serviços em desenvolvimento de sistemas e web, onde a Mr.Plot nasceu como uma unidade de negócios. “Em 2010 percebemos uma oportunidade com a chegada dos tablets. Era um novo mercado que estava surgindo, muito promissor e com uma capacidade de globalização fácil”, lembra o empresário. A ideia inicial era criar um ebook interativo infantil, aproveitando a sinergia que as crianças estavam demonstrando com o aparelho. Mas faltava um personagem cativante para conduzir as histórias.

Continua após a publicidade

“O Bita surgiu antes da Mr. Plot”, conta Chaps de Melo, criador do personagem. “Minha filha estava para nascer e queríamos um tema legal para decorar o quarto dela. Não encontramos nada que nos interessasse, então eu e a mãe dela criamos esse cara, o Bita, para isso”, conta Chaps. Com um personagem novo e original nas mãos, a Mr.Plot – usando o know-how da Quarta Dimensão – começou a produção dos ebooks e aplicativos para tablets, mas sem grandes resultados. “Investimos bastante nisso entre 2011 e 2013, mas não estava faturando o suficiente para se manter, não era rentável”, conta Almeida. A última cartada foi uma aposta: fazer clipes musicais com o personagem animado e canções originais compostas por Chaps. “Foi o grande pulo nos negócios”, completa.

A mudança da tecnologia da informação para a economia criativa foi feita com a ajuda do Porto Digital. “Fomos da primeira turma a incubar no Portomídia. Bita e os Animais foi nossa primeira obra e nosso objetivo era só lançar o DVD. Já existiam outros fenômenos no setor, como a Galinha Pintadinha, mas fomos ousados em adotar a estratégia (que se mantém) de só usar conteúdo autoral. Não usamos músicas de domínio público, criadas lá na década de 1940 e 1950, que não conectam com o público de hoje. Queríamos algo moderno”, conta Almeida. Foram esses primeiros clipes que chamaram a atenção da gravadora Sony Music, que fechou um contrato com os sócios da Mr.Plot, movimento que obrigou a empresa a se separar da Quarta Dimensão. “Agora, só um de nós cuida da parte de TI, e o resto nos nossos esforços é direcionado na animação”, afirma.

PRODUÇÃO

Viver de desenho animado no Brasil não é algo fácil – principalmente para novatos no setor. “A animação é complexa, cara, trabalhosa e demorada. Não é um mercado para qualquer um e a gente entrou meio que sem saber. Éramos uma empresa de TIC, mas as coisas foram dando certo, passamos fase a fase, e continuamos produzindo – que é o grande segredo do negócio”, explica Almeida. Desde 2013 a empresa vem lançando um DVD pro ano. Bita e as Brincadeiras também ganhou um Disco de Outro e Bita e o Nosso Dia saiu em 2015.

O faturamento da Mr.Plot em 2014 foi de R$ 200 mil e deve mais que dobrar no ano seguinte, passando para R$ 500 mil, mas a correria dos empresários está longe de acabar. “Ainda não conseguimos pagar a produção dos discos só com vendas. O mercado fonográfico no Brasil está em queda e cada minuto de uma produção como essa custa R$ 10 mil. Um DVD de 30 minutos passa dos 300 mil, sem contar outros gastos. Foi aí que entendemos que vender discos não era nosso negócio, mas que estávamos construindo uma propriedade intelectual”, afirma o empresário.

Da TIC, para a economia criativa e agora para licenciamento de direitos autorais, um mercado que é muito novo no Brasil. “Não dá para dizer que é insipiente, por que Maurício de Souza criou a Mônica há 50 anos e exporta ela para o mundo todo. Mas fora ele, você consegue contar nos dedos os produtores brasileiros que conseguem isso”, avalia Almeida. Essa imaturidade do mercado nacional obriga a Mr.Plot a contratar profissionais altamente especializados (e caros) como advogados e contadores. “A maior parte dos parceiros, como a gravadora e o canal de TV, também estão no Rio e em São Paulo. Quando dizemos que somos do Recife, às vezes nem acreditam. Em parte por que também optamos por não inserir no produto características que o tornassem muito regional. Criamos o Bita para ser globalizado”, completa. A “marca” Bita tem dez aplicativos (com mais de 500 mil downloads), apresentações ao vivo, linha de brinquedos educativos, artigos para festas, material escolar e de higiene oral. “Nosso próximo passo, para o médio prazo, é produzir uma série fixa para a TV, com 52 episódios, e um longa metragem. Isso nos consolidaria como um produto transmídia, que possa ser vendido no mundo todo”, acredita Almeida.

 


Comments are closed.