Pronto atendimento do Município de Capinópolis instalado ao lado do Hospital Faepu
Pronto atendimento do Município de Capinópolis instalado ao lado do Hospital Faepu / Foto: Paulo Braga

CAPINÓPOLIS, TRIÂNGULO MINEIRO – Médicos que prestam serviço no Pronto Atendimento no Município de Capinópolis paralisaram parcialmente as atividades nesta quarta-feira (19) por falta de pagamento salarial.

A empresa Max Med Serviços Médicos Ltda., é a responsável pela gestão dos profissionais médicos e é terceirizada pela  Fundação de Assistência, Estudo e Pesquisa de Uberlândia (Faepu) – A Max Med alega que os pagamentos não estão sendo efetuados.

Um dos médicos e responsável pela Max Med, Carlos Portilho, postou em uma rede social, que protocolou comunicado de paralisação na Promotoria Pública da Comarca de Capinópolis no dia 17 de Outubro.

Publicação postada em uma rede social / Reprodução: Facebook
Publicação postada em uma rede social / Reprodução: Facebook
Continua após a publicidade

Foi protocolado na tarde de hoje no promotoria pubrica (sic), que os médicos do pronto atendimento vão parar de trabalhar na próxima quinta-feira feira (sic), devido a falta de respeito e pagamento desde junho, ou seja só recebemos maio, (para os mentirosos dizerem que não sabiam……) não vai adiantar a prefeitura pagar um mês acredito que meus colegas e eu não voltamos a trabalhar sem pelo menos três meses. Agradecemos os ‘infinitos esforços da prefeitura’ chega de demagogia“, escreveu o médico.

A postagem do médico obteve vários compartilhamentos e recebeu comentários – “Parabéns pela coragem de vim (sic) a publico se manifestar”, comentou um apoiador.

O Tudo em Dia entrou em contato com a secretaria de finanças do Município de Capinópolis e segundo a responsável, os repasses estão sendo efetuados, mas não de forma integral.

Segundo a atendente do Pronto Socorro à reportagem, os médicos estão em greve por falta de pagamento salarial e somente urgências e emergências estão sendo atendidas.

Segundo a secretária de Saúde, Simone Dantas, a população deve procurar os PSFs para consultas e se deslocar ao Pronto Atendimento somente nos casos de urgência e emergência. Ainda segundo a secretaria, caso alguma consulta no PSF determine um atendimento com especialista, a secretaria de saúde encaminhará o caso para outras cidades de referência, mesmo estas localidades estando em situação crítica devido a crise – “Capinópolis passa por um momento de crise e as cidades de referência, Ituiutaba e Uberlândia, estão na mesma situação, mesmo assim, a secretaria de saúde não mede esforços para atender a população”, disse Simone.

Segundo a prefeita Dinair Isaac, os depósitos estão sendo feitos à Faepu – “Todo mês, nós estamos depositando, só que não estamos depositando na totalidade. Semana passada depositamos R$ 100 Mil, ontem (18) depositamos R$70 Mil. Estamos fazendo de acordo com a condição do Município – Infelizmente, Estado e União não estão repassando o que é de direito dos municípios”, disse a prefeita ao Tudo Em Dia.

O administrador da unidade da FAEPU em Capinópolis, Fernando Santana, confirmou a paralisação parcial dos médicos  e disse que o pagamento salarial dos profissionais referente ao mês de Julho de 2016 está sendo efetuado hoje (19) – “Recebemos um depósito da prefeitura ontem e iremos efetuar o pagamento aos médicos hoje. O mês de Agosto ficará ‘aberto’ “, disse Santana.

O repasse referente ao mês de Setembro vence amanhã (20).

Questionado se os médicos podem paralisar de vez as atividades, o administrador da Faepu disse que não – “Os médicos estão atendendo urgências e emergências e a partir de hoje, o que é do PSF, será encaminhado ao PSF… Eles não podem parar de atender, urgência e emergência” disse o administrador.

O vereador Joãozinho do Sabé esteve no Pronto Atendimento na tarde desta quarta-feira e acompanhou a situação – “Temos que agradecer aos profissionais que ainda estão atendendo, mesmo com o salário atrasado, isso mostra o compromisso com a população”, disse o vereador.

Atualmente, a Faepu paga um montante de R$ 38 Mil mensais referente a aluguel do prédio ao São Camilo, instituição que manteve o atendimento até o final de 2011.

O vereador Joãozinho do Sabé disse ao Tudo Em Dia que, por meio da Câmara, entrará com solicitação para que o valor desse aluguel seja reduzido ou extinto, já que o prédio foi uma construção que contou com a colaboração e contribuição de inúmeros capinopolenses no passado – “O valor de R$38 Mil que hoje é destinado ao aluguel, pode ser aplicado para pagar parte do salários dos profissionais médicos ou ampliar o número de médicos no Pronto Atendimento”, disse o vereador.

Nesta quarta, cerca de dezessete emergências foram atendidas no Pronto Atendimento de Capinópolis e quatro pacientes foram realocados aos PSFs de referência por não apresentarem urgência ou emergência.


Comments are closed.