Centro Educacional da Universidade Federal do Triângulo Mineiro está ocupado desde a semana passada
Centro Educacional da Universidade Federal do Triângulo Mineiro está ocupado desde a semana passada

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2016 será realizado nos dias 5 e 6 de novembro, próximos sábado e domingo. O prazo estabelecido pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC) e pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) para a desocupação das escolas, visando garantir a segurança da aplicação do Exame, terminou às 23h59 de ontem. Caso ele não seja respeitado, as provas marcadas em instituições ocupadas poderão ser adiadas e os alunos afetados farão provas em data ainda não divulgada.

De acordo com nota divulgada, hoje, até as 12h, o Inep receberá um relatório do Consórcio Aplicador do Exame informando a situação de todos os 16.476 locais de aplicação do Enem 2016, entre eles o Centro Educacional da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), em Uberaba, e consolidará uma lista final dos locais em que não serão aplicadas as provas em função das ocupações.

O Instituto ressalta que esta lista será divulgada em coletiva de imprensa a ser realizada na sede do Inep, a partir de 15h de hoje, com a presença da presidente do órgão, Maria Inês Fini, porém não há previsão de mudança nas datas marcadas para aplicação das provas.

Continua após a publicidade

A reitora da UFTM, Ana Lúcia de Assis Simões, e membros da equipe administrativa compareceram ontem às dependências do Centro Educacional da Universidade para tentar novamente estabelecer diálogo com os membros do movimento estudantil responsável pela ocupação. Durante o encontro, o movimento estudantil reafirmou a decisão de permanecer com a ocupação do Centro Educacional. Mediante a posição do grupo, foi entregue uma notificação extrajudicial solicitando a desocupação das dependências no prazo de 12 horas. Caso o movimento não desocupe as dependências do Centro Educacional, serão estudadas as medidas jurídicas cabíveis. As ocupações são motivadas pela rejeição à medida provisória que trata da reforma do ensino médio e também contra a PEC do teto de gastos públicos.

Fonte: JM


Comments are closed.