Montgomery Police Department/Reprodução
Montgomery Police Department/Reprodução

Uma lista de barbáries cometidas por um assassino em série com a ajuda de seu irmão, em meados de 1980, vieram à tona nos EUA depois que uma testemunha decidiu revelar informações à polícia na última segunda-feira (28). As informações são do jornal britânico “The Mirror”.

Preso desde 1985, Bradfield Clarck escolhia minuciosamente suas vítimas. A mais nova delas, uma garota de seis anos, foi morta e teve seu sangue ingerido pelo criminoso. Dessa maneira, um ato de canibalismo acabou revelando o lado mais obscuro do assassino americano.

Uma colega de trabalho, Trish Mark, também foi vítima de Clarck após ter aceitado um convite para um jantar romântico, o que acabou se tornando uma  verdadeira cena de filme de terror. Afinal, o assassino frio esquartejou Trish, cortou seus seios e os assou em uma churrasqueira antes de comê-los.

Anos depois, os “instintos assassinos” de Mark se revelaram em outros familiares. O irmão de Bradfield, Hadden Clarck, assassinou e tentou ocultar o corpo de Laura Houghteling, de 23 anos.

CCAA Capinópolis

De acordo com a polícia, as evidências de Hadden permaneceram no travesseiro da vítima, o que levou os detetives a capturá-lo facilmente. O resultado do assassinato foi uma sentença de 30 anos de prisão.

Novos relatos do proprietário da casa dos irmãos Clarck à polícia afirmou que ambos tinham uma “natureza competitiva”.

Na Prisão

Montgomery Police Department/Reprodução
Montgomery Police Department/Reprodução

O assassino em série Bradfield Clarck atende a 60 anos de prisão pela morte da menina de seis anos e da colega de trabalho.

Assassino na Bahia

Recentemente, um caso de assassinato chocou o Brasil. Pamela Canzonieri, a italiana de 39 anos assassinada em Morro de São Paulo, na Bahia, teria sido morta após ter se recusado a dar um beijo em seu assassino, Antônio Patrício dos Santos, mais conhecido como Fabrício.

A informação foi divulgada pela imprensa de Ragusa, cidade natal da vítima e cuja promotoria também apura o caso na Itália. Aos investigadores brasileiros, Antônio teria dito que se encontrou com Pamela na rua e a acompanhou até a casa dela  – os dois moravam perto um do outro. Dentro da residência, teria ficado furioso ao não conseguir beijá-la e esganou a italiana.

Procurada, a Secretaria de Segurança Pública da Bahia afirmou que não há, até o momento, nenhuma informação sobre essa motivação do crime. Segundo a autópsia, a causa da morte foi asfixia causada no pescoço com as mãos. Patrício dos Santos foi preso na última quarta-feira (23) e confessou o crime um dia depois. No entanto, ele alega não se lembrar de detalhes do episódio pois estava sob efeito de cocaína.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui