Flávio segura o filho Thales ao lado da mãe Sara / Foto: Assessoria
Flávio segura o filho Thales ao lado da mãe Sara / Foto: Assessoria

CAPINÓPOLIS, TRIÂNGULO MINEIRO – A Secretaria Municipal de Saúde de Capinópolis está ampliando o atendimento às gestantes em Capinópolis com a contratação de uma equipe para realizar os partos no próprio Hospital Municipal, conforme aconteceu na sexta-feira, dia 10, quando foram realizados dois partos, nascendo os bebês Thales, filho do casal Flávio e Sara, e Émily Vitória, filha do casal Luana Cruz e Claudiano.

Além dos dois partos, dezenas de gestantes tiveram consultas de pré-natal e bebês visitaram o pediatra.
“Bom, bom demais. É muito mais confortável ter o meu bebê em Capinópolis, os médicos foram muito atenciosos, correu tudo bem, estou muito feliz”, disse Sara, logo após o parto.
“É mais fácil, pois ir para Ituiutaba dificulta muito para nós. Aqui toda a família está próxima e nós podemos acompanhar tudo”, disse Flávio ao comemorar a chegada de seu bebê ao quarto do hospital, para ficar junto a ele e à mãe.
Primeira Dama, Valéria Rampazzo e secretária de Saúde, Sandra Barbosa, no atendimento do Hospital de Capinópolis / Foto: Valdair Bernardelli
Primeira Dama, Valéria Rampazzo e secretária de Saúde, Sandra Barbosa, no atendimento do Hospital de Capinópolis / Foto: Valdair Bernardelli
A secretária de Saúde, Sandra Barbosa, falou à reportagem do Correio da Região.
“Retornamos com a realização de partos e alguns procedimentos ginecológicos, como outros. Hoje aconteceram os primeiros partos depois de um longo tempo sem haver nenhum nascimento no município. Nós contamos com uma equipe médica mais ampliada, tivemos algumas especialidades que voltaram para o município e esse é apenas o início, agora a gente está alinhando o atendimento com a FAEPU para que haja novamente um atendimento e uma assistência adequada para a população de Capinópolis”.
Pergunta: Nós acompanhamos ali na portaria a presença de mães com seus bebês e futuras mamães aguardando para a consulta de pré-natal. Isso será uma constante, a partir de agora?
Sandra Barbosa: Bem antes da geração da criança com acompanhamento integral às famílias, a gente olha como um todo. Nós vamos dar a assistência, como já tem sido dado, desde o início da vida até o final dela.
Pergunta: Quer dizer então que o pediatra, a equipe está completa agora?
Sandra: Isso. Começamos devagar, também porque a gente tem que respeitar as questões financeiras e organização do serviço, mas o nosso intuito é realmente dar uma assistência de qualidade.
Pergunta: O pré-natal dessas mães é acompanhado, principalmente e também nas reuniões de gestantes?
Sandra: Exatamente. O pré-natal ocorre todo na atenção primária, após algumas semanas que ele é encaminhado ao profissional. O acompanhamento é feito dentro da atenção primária num atendimento integral, que é feito pelo médico generalista do PSF e pela enfermeira, que tem todo o conhecimento para isso, depois que é encaminhado para a atenção especializada para dar continuidade até o parto.
Pergunta: Qual o dia da semana a equipe estará atendendo em Capinópolis?
Sandra: Todas as sextas-feiras eles estarão em Capinópolis realizando os partos.
Pergunta: Sandra, e quando uma mãe passar mal, por exemplo, na segunda-feira, como será o atendimento?
Sandra: a mãe será encaminhada para Ituiutaba, e lá será realizado o parto normalmente.
 Estamos muito felizes com essa conquista.
A primeira-dama Valéria Rampazzo, que fez questão de estar o tempo todo no hospital, recepcionando as mães e os bebês também destacou a emoção pela conquista.
“É muito bom ver a alegria no rosto das mães. Quando dissemos que teriam o parto aqui em Capinópolis mesmo e que teriam uma equipe qualificada para atendê-las, inclusive com pediatra, elas até respiraram aliviadas”, disse Valéria, afirmando ainda que essa é a obrigação do gestor público, trabalhar para oferecer uma vida melhor a todos.
Gestantes aguardam atendimento / Foto: Valdair Bernardelli
Gestantes aguardam atendimento / Foto: Valdair Bernardelli
O gerente geral da FAEPU, Renato Darin, falou com referência ao convênio com o município que ainda tem cinco anos de vigência, que foi assinado um novo termo aditivo, discutido com a atual gestão, a qual está fazendo as transferências de recursos em dia, razão pela qual alguns atendimentos tiveram ampliação e que, com referência ao débito do município com a FAEPU, estava estudando junto ao setor jurídico e contábil da entidade e o município uma escala de pagamentos que não penalizasse a FAEPU e nem asfixiasse o município.