‘Surpreso’ com contratação de Bruno, patrocinador do Boa Esporte é xingado

Goleiro Bruno posa com a camisa do Boa Esporte após acertar volta ao futebol
Goleiro Bruno posa com a camisa do Boa Esporte após acertar volta ao futebol

Patrocinadora do clube mineiro Boa Esporte, que nesta sexta-feira (10) anunciou a contratação do goleiro Bruno, a empresa de suplementos alimentares Nutrends se diz “surpresa” com a incorporação do jogador ao elenco e diz que estuda que medidas tomará a partir de agora.

“Quando decidimos patrocinar o Boa Esporte o goleiro Bruno ainda não fazia parte do elenco e nem sequer havia qualquer sinalização de contratação. Nós como empresa não temos autonomia para interferir nos processos de contratação do time. Para nós também foi uma surpresa e já estamos vendo quais medidas poderão ser tomadas”, disse a empresa à Folha por meio de mensagem em uma rede social. Perguntada se estuda a interrupção de contrato, a empresa não respondeu.

A empresa tem sido hostilizada por diversos usuários nas redes sociais indignados com a contratação de Bruno.

“Quando vocês vão se posicionar sobre patrocinar um time que tem assassino? É esse o valor da empresa?”, “Patrocinando assassino. Que ridículo!”, são algumas das mensagens, que tem sido respondidas pela empresa com um texto padrão.

“A empresa Nutrends é somente patrocinadora do time e não participa do processo de contratação. Pra nós foi também uma surpresa e ainda não foi definido uma posição sobre esse assunto”.

Além da Nutrends, o Boa Esporte também conta com o apoio do grupo “Góis e Silva”, de propriedade de Rafael Gois, que foi candidato a prefeito de São Gonçalo de Sapucaí, em Minas Gerais, em 2017, mas teve a candidatura indeferida, e é considerado um dos políticos mais ricos do país; e da fornecedora de material esportivo Kanxa. Ambas as empresas também têm recebido xingamentos nas redes sociais.

O CASO BRUNO

Ex-goleiro de Atlético-MG e Flamengo, Bruno estava preso desde 2010, acusado de envolvimento no assassinato de Eliza Samudio. Ele foi condenado em 2013 a 22 anos e 3 meses de prisão, em regime fechado, por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver contra a ex-amante, além de sequestro e cárcere privado do filho que ele teve com Eliza.

O jogador recorreu da decisão, mas não teve recurso julgado. Ele estava preso por decisão de primeira instância há quase 7 anos. Na decisão tomada no dia 21 de fevereiro e publicada no dia 26 pelo Supremo, o ministro Marco Aurélio Mello julgou não haver sustentação jurídica para manutenção do encarceramento. Bruno responderá ao processo em liberdade.

Homenagem ao Dia Internacional da Mulher movimenta Capinópolis

Polícia Civil prende suspeitos de causar prejuízo de R$ 20 mi a empresa em Uberaba