pc1
Foto: PCMG

A Polícia Civil de Uberaba desarticulou uma quadrilha suspeita de furto de carga de fertilizantes, que ocasionou um prejuízo de cerca de R$ 20 milhões para uma empresa da cidade. A operação denominada “Vale Ouro” resultou na prisão de seis pessoas, sendo quatro em Uberaba e duas em Uberlândia.

As investigações começaram no ano passado com o monitoramento dos suspeitos de comandar a organização criminosa. Ao mapear os possíveis motoristas que participavam do esquema criminoso, a Polícia Civil, em parceria com a empresa lesada, conseguiu fazer a abordagem de três suspeitos ao adentrar na empresa com os caminhões na noite desta quinta-feira (9).

O trio confessou que comparsas mantinham contatos dentro da empresa, de modo que os caminhões adentravam as dependências com a alegação de que fariam a pesagem do cavalo e das carretas e depois sairiam para fazer o carregamento do lado de fora do fosfato precipitado, contudo, deslocavam-se para outra parte da empresa e carregavam os veículos com fertilizante MAP, sempre com a ajuda de funcionários.

Continua após a publicidade

Além dos três motoristas presos, a polícia efetuou a prisão em flagrante de um funcionário do setor de carregamento, de 32 anos, que também é suspeito de participar do esquema criminoso.

Apreensões
Com a prisão dos suspeitos, a polícia recuperou 106 toneladas de fertilizante MAP em Uberaba. As apreensões de cargas de fertilizantes também ocorreram em Uberlândia, Tupaciguara e Itumbiara, no interior de Goiás.

Em um galpão às margens da BR-050, em Uberlândia, foram recuperadas cerca de 383 toneladas do mesmo produto sendo dois homens, de 34 e 42 anos, presos em flagrante pelo crime de receptação.

Em Itumbiara, foram apreendidas 72 toneladas em uma empresa de fertilizantes. Já na cidade de Tupaciguara, outra equipe da Polícia Civil apreendeu em uma fazenda na 33 toneladas de fertilizante MAP. Totalizando, 594 toneladas de fertilizantes com preço aproximado de R$ 1 milhão. A polícia ainda investiga o envolvimento de outras 10 pessoas no esquema criminoso.

g1


Comments are closed.