Principal patrocinador do Boa rescinde contrato após acerto com Bruno

Folhapress
Grupo Gois ENTITY_amp_ENTITYSilva não estampará mais sua marca na camisa do Boa Esporte
Grupo Gois ENTITY_amp_ENTITYSilva não estampará mais sua marca na camisa do Boa Esporte

O Boa Esporte perdeu o seu principal patrocinador, o Grupo Gois & Silva, após uma reunião nesta segunda-feira (13). A empresa foi contra a contratação do goleiro Bruno, que estava preso desde 2010, acusado de envolvimento no assassinato de Eliza Samudio.

“Integrantes da diretoria e o CEO do Grupo Gois e Silva reuniram-se na manhã desta segunda-feira 13 de março de 2017 junto a diretoria do Boa Esporte Clube de Varginha pedindo ao clube que reavaliasse sua posição a respeito da contratação do goleiro Bruno em virtude do forte apelo social”, diz o comunicado oficial publicado no site do grupo.
“Diante da decisão de manter a contratação do goleiro Bruno por parte da diretoria do Boa Esporte Clube, o até então patrocinador Master do clube o Grupo Gois e Silva reitera sua posição e anuncia oficialmente que não é mais patrocinador do clube de Varginha”, continua.
A empresa de suplementos alimentares Nutrends também interrompeu o patrocínio no sábado (11). A empresa informou de que a ruptura acontece “em respeito aos nossos consumidores, clientes e a ética da empresa”.
Ex-goleiro de Atlético-MG e Flamengo, o jogador foi condenado em 2013 a 22 anos e 3 meses de prisão, em regime fechado, por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver contra a ex-amante, além de sequestro e cárcere privado do filho que ele teve com Eliza.
O jogador recorreu da decisão, mas não teve recurso julgado. Ele estava preso por decisão de primeira instância há quase 7 anos. Na decisão tomada no dia 21 de fevereiro e publicada no dia 26 pelo Supremo, o ministro Marco Aurélio Mello julgou não haver sustentação jurídica para manutenção do encarceramento. Bruno responderá ao processo em liberdade.

PRF apreende carga de cigarros contrabandeados do Paraguai

Dilma diz que fez “grande burrada” ao reduzir impostos para empresas