Delator da Odebrecht cita repasses a políticos da região

Welinton Prado, Elismar Prado e Marcos Montes aparecem em lista de deputados favorecidos (Foto: Câmara dos Deputados/Divulgação)
Welinton Prado, Elismar Prado e Marcos Montes aparecem em lista de deputados favorecidos (Foto: Câmara dos Deputados/Divulgação)

Cinco o políticos do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba estão entre os citados na planilha apresentada pelo ex-executivo da Odebrecht, Benedicto da Silva Junior, ao Ministério Público. Além dos irmãos Weliton e Elismar Prado, de Uberlândia, o ex-deputado João Bittar, o deputado Marcos Montes e o atual vice-governador de Minas Gerais, Antônio Andrade, teriam recebido, juntos, mais de R$ 500 mil em doações ilegais da empreiteira.

A assessoria de comunicação de Antônio Andrade não emitiu nota – já Weliton, Elismar Prado, Bittar e Montes disseram que as doações são legais e defenderam as investigações.

A tabela detalha nomes, apelidos e repasses financeiros que teriam sido feitos via caixa dois a 179 políticos brasileiros entre os anos de 2008 e 2014, sem a devida declaração à Justiça Eleitoral.

Com o codinome “Jornalista”, o deputado estadual, Elismar Prado (PDT), recebeu, segundo Benedicto, duas parcelas de R$ 50 mil em 2010 para “apresentar emendas e defender projetos de interesse da companhia”. No mesmo ano, o deputado federal Weliton Prado (PMB), apelidado de “Fragmentada”, aparece na lista com a doação de R$ 100 mil, com o mesmo propósito.

Ainda de acordo com o delator, o ex-deputado federal de Uberlândia, João Bittar, de codinome “Triângulo”, recebeu R$ 50 mil de caixa dois. Apelidado de “Montanha”, o deputado federal de Uberaba, Marcos Montes (PSD), recebeu a mesma quantia, também para ajudar a empresa.

Já o vice-governador do Estado de Minas Gerais, Antônio Andrade, aparece na delação como destinatário de R$ 275 mil para a campanha para deputado federal em 2010. O político com codinome “Wanda” na listagem é de Patos de Minas, no Alto Paranaíba, e iniciou a carreira em Vazante, no noroeste do estado.

De acordo com a lista, não houve intermediários para os repasses aos cinco políticos.

Íntegra da nota de João Bittar Júnior
João Bittar Júnior recebeu, na eleição de 2010 em que concorreu para o cargo de Deputado Federal, mais de R$ 350.000,00 em doações eleitorais de seu partido, como autoriza e prevê a legislação eleitoral.

Esses recursos foram captados pela direção do partido.

Todos os recursos recebidos pelo candidato foram declarados à Justiça Eleitoral, e suas contas devidamente prestadas e aprovadas pela Justiça Brasileira, que atestou a regularidade no recebimento e na aplicação dos recursos.

João Bittar reafirma sua confiança no partido e nas instituições brasileiras, e defende que toda denúncia deve ser devidamente investigada, para que se diferencie quem tem e quem não tem responsabilidade por eventuais irregularidades cometidas, bem como se elas realmente ocorreram.

Íntegra da nota de Marcos Montes
Líder da bancada do PSD, o deputado federal Marcos Montes lembra que a citação do seu nome no caso da Odebrecht se restringe à relação de políticos que receberam doações da empresa.

“Não estou incluído em nenhuma lista da Justiça ou do Ministério Público” – ressalta ele, se referindo às listas da Procuradoria-Geral da República e do Supremo Tribunal Federal.

Marcos Montes lembra que, até as eleições de 2016, a legislação brasileira permitia que empresas contribuíssem com campanhas eleitorais, e que ele recebeu apoio de várias empresas. Ressalta que o valor destinado pela Odebrecht é muito menor do que o apoio que recebeu de outras empresas.

Ele lembra que nem todos os relacionados pela Odebrecht estão nas listas da Procuradoria e do STF, justamente porque muitas doações foram recebidas legalmente. Segundo ele, até mesmo entre os nomes que estão citados nas listas de Janot e de Fachin existem diferenças importantes.

“O próprio Ministério Público Federal tem mostrado que existe uma linha divisória entre os acusados da prática de caixa 2 e os acusados de crime de corrupção”, destacou Marcos Montes.

“Por tudo isso, defendo que a Lava Jato tenha uma conclusão rápida e eficiente, de forma que as acusações, as apurações e os resultados sejam esclarecidos para a população. É importante, pois, que os inquéritos pedidos pela Procuradoria-Geral da República e autorizados pelo Supremo Tribunal Federal sejam instaurados com urgência, e que as apurações aconteçam da forma mais transparente possível” – disse ele.

Íntegra da nota de Weliton Prado
O Deputado Federal Weliton Prado não está incluído em nenhuma lista de investigados do Ministério Público e do Supremo Tribunal Federal. Informa que os recursos recebidos em suas campanhas foram declarados e aprovados. O deputado acredita que todos os políticos devem ser investigados. Defende que o país seja passado a limpo com transparência para que seja separado o “joio do trigo”. Além disso, reforça que o Brasil precisa de uma profunda reforma política feita por meio de uma Constituinte exclusiva, conforme vem defendendo nos últimos anos.

Íntegra da nota de Elismar Prado
O deputado estadual Elismar Prado afirma que está tranquilo e que não conhece o ex-executivo da empresa (BJ). Ressalta que sua prestação de contas foi devidamente apresentada e aprovada e que a citação do seu nome não faz o menor sentido. O parlamentar confia na justiça, tem um histórico em defesa dos direitos do povo e ressalta ainda que não está sendo denunciado ou investigado.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Enxame de abelhas ataca pessoas na zona rural em Ituiutaba – Bombeiros foram acionados

Acidente deixa cinco pessoas feridas em rodovia próximo a Patrocínio