Dois policiais militares e um homem foram presos por extorsão em Uberlândia. O promotor do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), Daniel Marotta, contou em entrevista nesta quarta-feira (3) que o cabo e o soldado tiveram as prisões preventivas decretadas após investigação da Polícia Civil realizada nos últimos 20 dias.

A assessoria de comunicação da Polícia Militar (PM) confirmou à reportagem que os militares estão presos no presídio militar do 17º Batalhão de Polícia Militar (BPM), no Bairro Santa Mônica. No entanto, a PM disse que não vai se pronunciar sobre o caso para não comprometer as investigações.

De acordo com Daniel, o trio tentou extorquir o proprietário de um caminhão na cidade, que teve o veículo furtado. O homem preso – que não teve a idade informada – ligou para a vítima após os militares terem localizado o caminhão em uma rua de Uberlândia. Na ligação, o suspeito chegou a pedir R$ 40 mil para entregar o veículo em bom estado.

Continua após a publicidade

“Os policiais acharam o caminhão e, pela placa do veículo, conseguiram o contato do dono. Então passou para esse homem, que começou a pedir dinheiro para entregar o caminhão e também ameaçou que se ele não pagasse iria cortar o veículo. Como o caminhão era segurado, o proprietário não teve interesse, então, o grupo começou a coagir o corretor do seguro da vítima”, explicou o promotor.

Ainda de acordo com o promotor, o corretor do seguro acionou a Polícia Civil. Durante investigação, a vítima combinou de encontrar com o suspeito. No encontro, os policiais civis fizeram campana e prenderam o homem em flagrante. O caminhão da vítima foi recuperado.

“Após a prisão do homem, ele cedeu o celular para ser periciado e foram localizadas conversas com os policiais militares, que comprovaram que eles agiam juntos. Então foi concedida pela justiça a autorização para prisão preventiva dos militares. Um deles foi preso na casa dele e o outro estava de férias viajando e se apresentou após sete dias, pois na PM quando um militar tem prisão decretada não pode demorar mais de sete dias para se apresentar, se não perde o cargo”, explicou Daniel.

G1


Comments are closed.