O juiz Sergio Moro condenou em primeira instância, nesta quarta-feira (12) de julho, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) a nove anos e meio de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.  Para que o ex-presidente seja efetivamente preso, no entanto, é necessário que a segunda instância (Tribunal Regional Federal 4) confirme a sentença de condenação.

Lula é acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, crimes nos quais estaria envolvido um apartamento tríplex no Guarujá (SP). Ainda cabe recurso.

A sentença foi dada no processo em que o petista foi acusado pela força-tarefa da Lava-Jato de receber propina da OAS, uma das empreiteiras envolvidas no esquema de corrupção da Petrobras.

Na sentença, Moro afirma que crime corrupção envolveu a destinação de R$ 16 milhões “a agentes políticos do Partido dos Trabalhadores, um valor muito expressivo”. “Além disso, segundo o juiz, o crime foi praticado em um esquema mais amplo no qual o pagamento de propinas havia se tornado rotina”.

CCAA Capinópolis

O juiz apontou “culpabilidade elevada” de Lula, que recebeu, segundo ele, “vantagem indevida em decorrência do cargo de presidente da República, ou seja, de mandatário maior”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui