Imagem aérea da Usina Vale do Paranaíba em Capinópolis (MG)

Paulo Braga (Tudo Em Dia) / José Fernando Martins (Alagoas)

A proposta apresentada pela Cambuí Açúcar e Álcool para comprar a usina sucroalcooleira Vale do Paranaíba, que pertence a Massa Falida da Laginha Agro Industrial S/A.,  foi rejeitada pelos juízes Leandro de Castro Folly, Phillippe Melo Alcântara e José Eduardo Nobre Carlos rejeitaram, nesta segunda-feira (23) de outubro de 2017.

A Cambuí havia apresentado uma proposta de R$80 milhões em Setembro deste ano. Segundo a proposta, registrada em cartório, o pagamento seria por meio de uma entrada de R$40 milhões e o restante parcelados sem juros em um prazo de cinco anos.

Continua após a publicidade

A Vale do Paranaíba, instalada no Município de Capinópolis, já chegou a ser avaliada em cerca de R$211 milhões, quando ainda tinha pouco tempo de inatividade. Em avaliação recente, a usina foi avaliada em pouco mais de R$ 140 milhões.

Segundo apurado pelo jornalista José Fernando Martins (AL), em parceria com o Tudo Em Dia, a justificativa dos magistrados é de que “a proposta apresenta ilegalidade em relação ao valor, à forma de pagamento e aplicação de percentual de corretagem às custas da massa falida”.

Segundo os autos do processo, “comparando-se o valor oferecido pela proponente e o da avaliação contemplada (…), realizada pela empresa Valor Engenharia, conclui-se a existência de significativo deságio – aproximadamente 40% quarenta por cento do valor da avaliação -, no que tange aos ativos da Unidade Vale do Paranaíba, objeto da proposta de compra”.

O passivo trabalhista do Grupo João Lyra, que inclui todas as empresas do grupo, ultrapassa R$180 milhões.

A Vale do Paranaíba, que chegou a ser considerada uma das mais modernas usinas da América Latina, está sendo consumida pelo tempo e deve ir a leilão.

 

A reprodução deste conteúdo não está autorizada por outros veículos de imprensa.


Comments are closed.