Coreia do Norte condena Trump à morte

reprodução

A Coreia do Norte declarou nesta quarta-feira que o líder dos Estados Unidos, Donald Trump, foi condenado à morte no país por insultar o presidente Kim Jong-un. “O pior crime pelo qual ele nunca pode ser perdoado foi ousar profanar a dignidade da suprema liderança”, afirmou o editorial do jornal estatal Rodong Sinmun.

“Ele deve saber que é apenas um criminoso hediondo condenado à morte pelo povo coreano”, apontou o jornal.

O texto, que classifica o presidente americano como “depravado” e “velho escravo do dinheiro”, assegura que este “foi ridículo ao manipular a realidade” e “soltar todo tipo de maldições contra nós”, durante seu discurso de 22 minutos na Assembleia Nacional de Seul no último dia 8 de novembro.

Durante uma intervenção especialmente dura, o presidente americano denunciou as violações de direitos humanos na Coreia do Norte e se dirigiu a Kim Jong-un para dizer que se o seu avô, Kim Il-sung, buscava criar um paraíso, “o país acabou se transformando no inferno”.

As referências do político republicano à Coreia do Norte foram constantes inclusive chegou a chamar Kim “gordo e baixinho” em um tuíte, sem que os meios de comunicação oficiais de Pyongyang tenham respondido até agora a essas declarações.

Apesar dos ataques diretos, a Coreia do Norte aguardou até um dia depois de Trump encerrar a extensa excursão pela Ásia, que lhe levou também a Japão, China, Vietnã e Filipinas. O artigo do Rodong assegura que Pyongyang “observou com paciência os ridículos atos de Trump até o final”.

Declaração de guerra

O governo norte-coreano também qualificou como uma “declaração de guerra” o duro discurso de Trump durante sua visita na semana passada a Seul, no qual criticou as condições de vida dos norte-coreanos. “Os imprudentes comentários soltos por Trump durante sua excursão não podem ser vistos de outra maneira que a confirmação da hostilidade da Casa Branca contra a RPDC (sigla da República Popular Democrática da Coreia, nome oficial do país), e como uma declaração de guerra”, apontou o editorial do Rodong Sinmun.

Não foi a primeira vez que Pyongyang comparou as ações do americano a ameaças bélicas. Em  julho e em setembro deste ano a Coreia do Norte fez declarações semelhantes.

A visita de Trump à Ásia esteve muito marcada pelas tensões com a Coreia do Norte e a chamada à comunidade internacional para que esteja unida na hora de condenar e pressionar o regime de Pyongyang para que ponha fim ao seu programa nuclear e de mísseis.

(com EFE)

Homem aponta arma para PMs, é baleado no aglomerado da Serra e morre

Alunos do Ensino Especial em Capinópolis realizam curso de pintura em tecidos

Back to Top
Close

Bloqueador de Publicidade

Detectamos um bloqueador de publicidade no seu navegador. Por gentileza, apoie o jornalismo independente brasileiro

Refresh