Está na Delegacia de Plantão de Santa Luzia, na região metropolitana de Belo Horizonte, o policial militar de 28 anos que é suspeito de matar a mulher após uma discussão na noite de quarta-feira (15). O crime aconteceu dentro da casa do casal, no bairro Palmita. A vítima, de 27 anos, chegou a ser socorrida pelo próprio suspeito para a Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) São Benedito, mas não resistiu ao ferimento.

A Polícia Militar (PM) informou que o crime aconteceu por volta das 22h48 na rua Albertina Neves Carvalho. O soldado foi preso. De acordo com o tenente-coronel Edésio Amorim, comandante do 36º Batalhão, o soldado atuava na 180ª Companhia há três anos e era um bom policial, sem histórico de violência em sua atuação. 

Magazine Brasil Líbano Dia dos Pais

“Ele estava voltando de um churrasco na casa de outro militar e, segundo as informações preliminares, eles começaram a discussão dentro do carro e, em datas pretéritas, já estavam discutindo muito. A versão dele é que, ao chegar na casa, foi surpreendido por ela com a arma dele na mão. Ao atentar desarmá-la, houve um disparo acidental que acertou a testa dela”, detalhou o comandante. 

O militar alega que não houve intenção alguma de assassinar a companheira. “Tanto que ele imediatamente colocou ela no veículo e levou para o hospital. A perícia esteve na casa e achou um único cartucho disparado. Pelo histórico, pela convivência que a tropa tem com ele, leva a entender que realmente foi uma fatalidade”, defendeu o tenente-coronel Amorim. 

CCAA Capinópolis

O soldado foi preso no próprio hospital e encaminhado para a Delegacia de Plantão da cidade, onde continua. O delegado ratificou a prisão em flagrante e, agora, o suspeito aguarda para ser levado para o presídio militar do 1º Batalhão. 

A reportagem de O TEMPO esteve no local e conversou com um comerciante, que é vizinho do casal e não quis ser identificado. “Eu estou em choque. Quando mudei pra cá os dois eram bem crianças, pequenininhos. Aí começaram a namorar e casaram. A gente não via muita briga nem nada. Não dá pra saber. É complicado porque todo mundo está em choque, mas ninguém sabe o que aconteceu direito”, disse. 

Na casa onde a mulher foi baleada também moram os pais do soldado, que viviam na parte de baixo enquanto o militar, a mulher, a filha do casal de 2 anos e um filho de outro relacionamento da vítima moravam na parte de cima. “Ela almoçou com a sogra e, depois, foram para um evento. Voltaram discutindo. A mãe do soldado disse que a mulher tentou pegar a arma do marido e, na tentativa de parar a situação, ele tentou tirar a arma dela e efetuou os disparos”, contou o vizinho. 

A testemunha disse ainda que o casal era de boa família, mas que a mãe chegou a dizer para conhecidos que o filho e a nora brigavam muito. 

Atualizada às 12h24

Alexandre Santos Gomes advogado em Capinópolis
Ouça o podcast do Tudo Em Dia: