Apesar de ter escapado de pedreiras como Espanha e Inglaterra na Copa do Mundo, a seleção brasileira terá “pedras” no caminho pelo hexa. Além de adversários que vêm fazendo bonito nos últimos Mundiais, casos de Costa Rica e Suíça, os comandados de Tite precisarão enfrentar longas e tortuosas viagens.

Com base em Sochi, a seleção precisará viajar cerca de 403 km (pouco menos de uma hora de voo) para encarar a Suíça em sua estreia no Mundial. O duelo será disputado às 15h do dia 17 de junho, em Rostov.

Após o primeiro desafio, a coisa começa a complicar. Saindo de Sochi, o Brasil precisará viajar 1.900 km para encarar a Costa Rica em São Petesburgo (cerca de 2h40 de voo), no dia 22 de junho, às 9h.

Continua após a publicidade

Para o terceiro confronto, mais um itinerário tortuoso. Caso saia de Sochi, o o time canarinho precisará viajar 1.404 km (2h10 de voo) até Moscou, onde fecha a primeira fase contra a Sérvia, no dia 27 de junho, às 15h. Porém, caso saia de São Petesburgo, o caminho é mais “suave”, já que viajaria 633km (1h15 de voo).

Segunda fase

A seleção terá dois caminhos caso passe pela primeira fase da Copa. Caso encabece o Grupo E, os comandados de Tite jogarão em Samara, às 11h do dia 2 de julho, contra o segundo colocado do Grupo F, que tem Alemanha, México, Suécia e Coreia do Sul.

Adiante, a seleção jogaria em Kazan, às 15h do dia 6 de julho. Na semifinal, voltaria a São Petersburgo, onde a bola rolará às 15h do dia 10 de julho. A decisão do torneio será às 12h do dia 15 do mesmo mês, em Moscou.

Caso tropece e avance como segundo, a seleção encararia o 1º colocado do mesmo Grupo F, podendo fazer uma reedição do 7 a 1 logo de cara. O duelo seria disputado às 11h do dia 3 de julho, em São Petersburgo.

Nesse caso, as quartas de final seriam disputadas às 11h do dia 7 de julho, em Samara, enquanto as semifinais ficariam para o dia 11 de julho, às 15h, em Moscou.

Obs: todos os horários são de Brasília