Já são quase dez anos de profissional. Apesar de ninguém contestar sua qualidade técnica embaixo das traves, o goleiro Rafael, do Cruzeiro, tem ao seu lado e a sua frente um dos melhores camisas 1 do país. Mas isso não é empecilho para o atleta de 28 anos, que deve ter mais uma oportunidade de começar jogando domingo, às 17h, contra o Botafogo, na rodada de encerramento do Campeonato Brasileiro e da temporada.

Se entrar em campo no fim de semana no Engenhão, Rafael vai completar 33 jogos em 2017, fechando o ano como sua melhor temporada. Durante o período em que Fábio esteve afastado por causa de uma lesão, Rafael substituiu o titular à altura. Muitos torcedores chegaram a defender a permanência do atleta no time e Fábio no banco.

“É um ano que eu vou guardar com muito carinho. Fiz mais de 30 jogos até agora. Foi um ano que tive muitas oportunidades de mostrar o meu trabalho. O jogador treina e se dedica para isso. Também foi um ano fantástico para o nosso grupo com a conquista da Copa do Brasil. Sabemos o quanto isso é importante para o clube. Tenho certeza que ainda virou muitos outros anos pela frente”, projeta ele.

Continua após a publicidade

Com contrato renovado com o Cruzeiro até 2021, Rafael espera pacientemente sua oportunidade de assumir de fato a camisa número 1 da Raposa. Mas ele terá que esperar um pouco mais, pelo menos até os 30 anos. Fábio também estendeu seu vínculo com o time estrelado por mais duas temporadas. “Para goleiro 30 anos é novo. Então é muito tranquilo quanto a isso. Não penso em idade, eu foco nos objetivos que eu traço ano a ano. Quero só crescer cada vez mais, me dedicar e continuar melhorando. No futebol você não pode fazer planos longos. Tenho a confiança da diretoria e dos jogadores. Gosto de estar aqui”, disse Rafael, que garante não se incomodar com a condição de reserva.

“Se você pegar a estatística vai ver que cada jogador tem a sua importância para o clube. Às vezes, um atleta nem jogou tanto mas entrou eu momentos decisivos e ajudou a sua maneira. Todo mundo é importante, independentemente de ser titular ou não. Sinto que eu tenho a confiança dos torcedores, diretoria e jogadores. Sei que sou respeitado por todos e isso me faz ir para dentro de campo e dedicar nos treinamentos”, completa o jogador.

Apesar de garantir que está focado no Cruzeiro, o goleiro vem sendo alvo de vários times, mas garante não se importar com o assédio e que pretende continuar na Toca da Raposa II. “Eu tento focar na parte do campo que é o que eu posso fazer para ter o reconhecimento. A parte fora de campo eu deixo para a diretoria do Cruzeiro e para o meu empresário. Sou muito grato e muito feliz por tudo. Vou continuar paciente, alegre e me dedicando no dia a dia. Acho que é assim que a gente conquista as coisas”, projeta o goleiro.