Após uma noite de domingo (4) marcada por inundações em várias regiões de Belo Horizonte, a chuva continuou ao longo de toda a madrugada desta segunda-feira (4), deixando a capital mineira em estado de Atenção, segundo a Defesa Civil. Conforme o órgão, somente nos três primeiros dias de dezembro o acumulado de chuva esperado para todo o mês já foi praticamente alcançado.

Entre o dia 1º e as 6h desta segunda, somente quatro das nove regionais da cidade não haviam ultrapassado dos 200 mm de chuva, sendo elas a região Norte (98,4 mm), Leste (159,8 mm), Nordeste (167,8 mm) e Venda Nova (193,8 mm). A regional com a maior marca até agora foi a Oeste, que sozinha teve 277,2 mm de chuva, o que corresponde a 87% do esperado para todo o mês, de 319,4 mm. Em seguida aparecem as regionais Noroeste (248,8 mm), Barreiro (235,3 mm), Centro-Sul (215 mm) e Pampulha (201 mm).

Ainda conforme a Defesa Civil de BH, o dia será de céu nublado a encoberto, com previsão de pancadas de chuva, por vezes fortes, a qualquer hora do dia. “A temperatura deve variar entre 19 e 25ºC. A umidade do ar está em torno de 80%”, completa o órgão.

Continua após a publicidade

Neste domingo, a chuva causou alagamentos e transtornos, causando temor entre moradores e caos no trânsito. Foram registrados alagamentos em várias avenidas da cidade, como a Cristiano Machado, no Nordeste da capital, e a avenida Heráclito Mourão de Miranda, na região da Pampulha. O córrego do Onça transbordou e vários outros chegaram próximo do limite, levando ao fechamento de vias. Uma cratera gigante se abriu no centro da capital e, por sorte, ninguém se feriu. Desde o início do período chuvoso, quatro pessoas morreram em Minas.

Durante a madrugada, um desmoronamento de terra causou transtornos para moradores da Vila São Paulo, na divisa de Contagem com Belo Horizonte. De acordo com informações preliminares da Defesa Civil de Contagem, a terra invadiu imóveis da rua Luzitânia. Ainda não há registro de feridos.

A avenida Tereza Cristina, na altura da Vila São Paulo, segue fechada desde o domingo perto do córrego Arruda por motivo de segurança. Revoltados, moradores da região pretender fazer uma manifestação contra a precariedade do local. 

Ocorrências 

Na avenida Augusto de Lima, os motoristas enfrentam lentidão nesta manhã devido à uma árvore que caiu fechando a via, entre as ruas da Bahia e Carandaí, no sentido centro. Uma outra árvore também caiu na avenida Getúlio Vargas, no bairro Funcionários. 

FOTO: COP BH / DIVULGAÇÃO
árvore augusto de lima
A árvore prejudica o trânsito na Augusto de Lima

Um balanço feito pela Defesa Civil da capital indica que durante este período chuvoso, entre o dia 1 de outubro e esta segunda-feira, já foram atendidas um total de 1.098 ocorrências relacionadas ao período. A maioria dos atendimentos foram para risco de queda de árvore (120), risco de desabamento de muro (61) e inundações, enchentes e alagamentos (60). A regional Centro-Sul foi a que mais mobilizou o órgão, com 165 destas ocorrências. 


Comments are closed.