A greve dos transportadores de combustíveis começa a afetar postos de Belo Horizonte e região metropolitana. A paralisação, iniciada nesta quinta-feira pelo Sindicato dos Transportadores de Combustível e Derivados de Petróleo de Minas Gerais (Sindtanque), está impendido que o combustível seja levado até os postos. A falta de estoque foi confirmada pelo Minaspetro, entidade que representa os comerciantes do varejo dos derivados do petróleo, que relatou que alguns postos já estão sem funcionamento. Em alguns estabelecimentos, consumidores tiveram que enfrentar grandes filas para poder  abastecer.

A reportagem tentou entrar em contato com 15 postos  de combustíveis de Belo Horizonte e região, destes, apenas cinco atenderam a ligação. Destes, apenas um relatou estoque baixo e três deles informaram que houve atraso na entrega. Um dos postos disse que o carregamento de etanol está confirmado, já que a empresa comprou o combustível em outro estado, mas que não há previsão de entrega para a gasolina. Com a greve, já é registrado o aumento do preço da gasolina e do etanol em alguns postos.

O presidente do Sinditanque, Irani Gomes, disse que a adesão ao movimento é de 100% dos caminhoneiros e que além de postos de combustíveis, os aeroportos também estão ficando sem estoque. “Os caminhões não estão indo para as bases para fazer o carregamento. Simplesmente cruzamos os braços, não estamos fazendo bloqueio de via, nem nada neste sentido, apenas cortamos a distribuição”, informou.

Continua após a publicidade

De acordo com Gomes, a reivindicação da categoria é que o governo de Minas e o governo Federal recuem em relação aos aumentos das alíquotas  sobre o produto, já que em Minas vai haver um aumento na taxação em janeiro. Ele explica que os aumentos de Pis e Cofins anunciado pela União são os itens que provocam o maior efeito sobre a categoria.

O proprietário de caminhão e condutor Webert Pereira dos Santos, disse que a intenção da categoria é manter a greve até que a reivindicação seja atendida. “Não vamos levantar o pé, enquanto não mudar continuamos parados”, disse.

Por meio de nota, o Minaspetro alertou sobre a situação e informo que não existe um levantamento sobre o número de postos sem estoque. “Caso o cenário de greve persista, há sim o risco de desabastecimento geral, uma vez que os postos que ainda possuem estoque não poderão ter a renovação dos produtos armazenados. Entretanto, o Minaspetro alerta para que os consumidores não promovam a chamada “corrida aos postos”; o que, de fato, aceleraria o processo de desabastecimento”, informa a entidade.


Comments are closed.