O relator da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da JBS, deputado Carlos Marun (PMDB-MS), anunciou nesta terça-feira, 12, que pediu, em seu parecer final, o indiciamento do ex-procurador-geral Rodrigo Janot e de seu ex-chefe de gabinete, o procurador Eduardo Pelella.

Na visão do relator, os dois cometeram os crimes de abuso de autoridade, prevaricação e incitação “à subversão da ordem política ou social”, previsto na Lei de Segurança Nacional.

O relatório de Carlos Marun estava sendo apresentado por volta das 11h da manhã desta terça aos parlamentares da CPMI. O texto precisa ser aprovado pelo colegiado antes de ser enviado ao Ministério Público Federal (MPF), que deve se pronunciar sobre as recomendações. Caso a maioria dos deputados e senadores da comissão não aprovem o parecer, a CPMI deve apresentar um relatório paralelo.

Continua após a publicidade

Segundo entendimento do relator, a cúpula da Procuradoria-Geral da República (PGR), ao firmar o acordo de delação premiada com executivos da JBS, tinha como objetivo depor o presidente da República, Michel Temer, e interferir no processo de sucessão de Janot no cargo.

Além de Janot e Pelella, serão alvos de pedido de indiciamento o ex-procurador Marcello Miller, os irmãos Joesley e Wesley Batista, além do executivo do grupo J&F Ricardo Saud. Principal integrante da tropa de choque de Temer no Congresso, Marun tomará posse como ministro da Secretaria de Governo na quinta-feira, 14.

O deputado também se notabilizou pela defesa ferrenha que fazia ao ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), atualmente preso.


Comments are closed.