Ex-presidente da Federação Peruana é absolvido do ‘Caso Fifa’

Em novo capítulo do ‘Caso Fifa’, Manuel Burga, ex-presidente da Federação Peruana de Futebol, foi inocentado nesta quarta-feira da acusação de corrupção que recaía sobre ele durante julgamento realizado em Nova York, nos Estados Unidos, onde ex-dirigentes de peso do futebol mundial, entre eles o ex-presidente da CBF, José Maria Marin, acabou sendo condenado em outra audiência realizada no mesmo tribunal do Brooklyn, na semana passada.

Emocionado, o ex-mandatário do futebol peruano, de 60 anos, chorou ao escutar o veredicto que o absolveu de culpa na única acusação que pesava contra ele, que era a de envolvimento com uma organização criminosa, com a qual ele era suspeito de ter feito conspiração para extorquir dinheiro enquanto dirigente.

Ao sair do tribunal, ainda com os olhos marejados, Burga declarou: “Deus abençoe os Estados Unidos. Isso é tudo o que posso dizer”. E também prometeu que voltará a desempenhar o ofício de advogado, que ele abandonou durante 15 anos para se dedicar à carreira de dirigente esportivo. “Minha história no futebol acabou. Voltarei ao Direito”, garantiu.

Os jurados do julgamento iniciado no dia 6 de novembro concordaram com o veredicto que absolveu Burga, que só estava esperando pela devolução do seu passaporte para poder retornar ao Peru. Foi o término do drama do ex-cartola, que foi um dos dirigentes presos no escândalo de corrupção que provocou a detenção de uma série de cartolas do primeiro escalão do futebol mundial em 2015, entre eles o próprio Marin, de 85 anos, que vinha cumprindo prisão domiciliar em Nova York até ter a sua transferência ordenada, na última sexta-feira, para o Centro de Detenção Metropolitana do Brooklyn.

Na última sexta-feira, a juíza federal Pamela Chen considerou Marin culpado de seis de sete acusações de corrupção. Ele foi acusado de conspiração para recebimento de dinheiro ilícito, conspiração para fraude relativa à Libertadores, conspiração para lavagem de dinheiro relativa à Libertadores, conspiração para fraude relativa à Copa do Brasil, conspiração para lavagem de dinheiro relativa à Copa do Brasil, conspiração para fraude relativa à Copa América e conspiração para lavagem de dinheiro relativa à Copa América. A Justiça dos EUA o acusou formalmente de ter recebido US$ 6,5 milhões desde que assumiu o cargo de presidente da CBF, em 2012.

O ex-dirigente foi absolvido apenas da acusação de lavagem de dinheiro na Copa do Brasil. Por ter sido considerado culpado de seis de sete crimes, ele corre o risco de receber uma pena que pode chegar a até 120 anos de prisão, em sentença que deve ser anunciada daqui a menos de dois meses.

Além do brasileiro, outro ex-dirigente de peso condenado na última sexta-feira foi o paraguaio Juan Angel Napout, ex-presidente da Conmebol e um dos ex-vice-presidentes da Fifa. Ele foi considerado culpado em três de cinco acusações de corrupção e, assim como Marin, deixou o regime de prisão domiciliar que cumpria e foi encarcerado nos Estados Unidos. O ex-líder da entidade que comanda o futebol sul-americano, de 59 anos, também espera pela aplicação de sua sentença.

Burga, por sua vez, se tornou nesta terça-feira a primeira pessoa a ser absolvida entre as mais de 40 personalidades e entidades do futebol mundial acusadas nos Estados Unidos de terem relação com uma investigação que descobriu a existência de centenas de milhões de dólares usados em subornos e outras transações ilícitas. Entre estas 40 pessoas investigadas, 24 já se declararam culpadas de atos de corrupção.

Defesa Civil alerta para risco de pancadas de chuva em BH

Aposentado, Kaká encerra era de meias que brilharam com a 10 do Brasil