MG oferecerá medicamento que reduz risco de infecção por HIV

O medicamento que reduz a probabilidade de infecção pelo vírus HIV será disponibilizado a pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) de Minas Gerais no início de 2018. O Brasil é o primeiro país da América Latina a adotar a Profilaxia Pré-Exposição (PrEP), já indicada nos Estados Unidos e em países da Europa. Especialistas e grupos de apoio a pessoas com Aids reconhecem a importância da estratégia, mas ressaltam a necessidade do uso da camisinha – além de não ser 100% eficaz na prevenção do HIV, a PrEP não impede a gravidez nem protege contra outras Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs).

Em Minas, a PrEP será oferecida em Belo Horizonte, em Ipatinga, no Vale do Aço, em Juiz de Fora, na Zona da Mata, e em Uberlândia, no Triângulo. Segundo a Secretaria de Estado de Saúde (SES), o medicamento estará disponível para homossexuais, transexuais, travestis, profissionais do sexo e casais sorodiscordantes (em que um dos parceiros vive com HIV e o outro, não) que tenham comportamento sexual de risco. Contudo, não há informações sobre quantas pessoas terão acesso à profilaxia nem sobre a distribuição do medicamento.

Saiba mais. A PrEP é uma combinação de dois medicamentos (tenofovir e entricitabina) em um único comprimido, que deve ser ingerido uma vez por dia, de maneira continuada. O medicamento impede que o HIV se estabeleça no corpo. “É como se fosse uma barreira química para a entrada do vírus no organismo”, explicou Mateus Westin, infectologista e professor do Departamento de Clínica Médica da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

A probabilidade de eficácia depende da adesão à PrEP – se tomado regularmente, o medicamento reduz o risco de infecção pelo HIV em mais de 90%. A PrEP, no entanto, não deve substituir outras formas de prevenção. “Ela não é uma alternativa ao preservativo, é adicional. O conceito que se usa hoje é o de prevenção combinada. A PrEP é mais uma das medidas, não é a salvadora”, disse Westin.

Uma pesquisa realizada pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids) e pelo aplicativo de relacionamentos gays Hornet com 3.218 pessoas mostrou uma situação de alta vulnerabilidade ao HIV entre os homens gays que responderam ao questionário. A enquete, realizada entre 22 de setembro e 16 de outubro de 2017, mostrou que um em cada cinco disse não ter se testado para alguma IST nos 12 meses anteriores à pesquisa. Entre os que se testaram, 27% tiveram diagnóstico positivo para alguma IST.

Segundo Westin, muitas pessoas têm deixado de usar a camisinha. “As pessoas não usam o preservativo em relações que se tornam estáveis, a prática de fazer exames de HIV é pouco comum, e boa parte não usa nem mesmo em relações casuais”, disse. Ele ressalta a importância da prevenção, visto que a Aids, embora possa ser controlada, gera uma série de dificuldades. “É uma doença crônica, exige acompanhamento médico regular e remédio todo dia”.

Saiba mais

PrEP. A implantação da profilaxia vai ocorrer de forma gradual. No primeiro ano, o medicamento será disponibilizado em 36 serviços de 22 municípios de 11 Estados.

Pesquisa. O medicamento utilizado na PrEP no Brasil, a Truvada, é produzido apenas nos Estados Unidos. O país paga cerca de US$ 0,75 a dose. A UFMG faz uma pesquisa que compara a Truvada com uma dupla nacional de antirretrovirais.

Prevenção

“Ela (PrEP) não é uma alternativa ao preservativo, é adicional. O conceito que se usa hoje é o de prevenção combinada.”

Mateus Westin,

Infectologista

 

Preocupação com a PrEP é o desestímulo ao preservativo

A PrEP pode desestimular o uso de preservativo, e, por isso, a incidência de outras Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) deve aumentar. Essa é a preocupação de movimentos de apoio a pessoas com Aids, como o Grupo Vhiver, em Belo Horizonte.

“Isso é fato, principalmente entre os jovens. Me preocupa que outras doenças sexualmente transmissíveis explodirão com a PrEP”, disse o presidente do grupo, Valdecir Fernandes Buzon. Para ele, o início ideal da oferta da profilaxia seria apenas para casais sorodiscordantes, com ampliação gradual de público.

Números. Conforme o Ministério da Saúde, a taxa de detecção de Aids quase triplicou entre homens de 15 a 19 anos, de 2006 a 2016, passando de 2,4 para 6,7 casos a cada 100 mil habitantes. Já entre os de 20 a 24 anos, a taxa mais que dobrou – de 16 para 33,9 casos a cada 100 mil habitantes.

Em Minas, 3.587 casos foram diagnosticados até 27 de dezembro deste ano, uma média de quase 300 por mês.

Forte chuva causa inundações

Viatura do Samu se envolve em acidente grave na BR-381