Depois das confusão de informações envolvendo o tráfego de veículos pesados no Anel Rodoviário, a prefeitura de Belo Horizonte emitiu uma nota na tarde desta sexta-feira (12), dizendo que “nada será realizado de forma açodada e que todas as partes envolvidas continuarão sendo chamadas à mesa para as discussões”.

Nesta quinta-feira (11) o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) divulgou uma nota  contradizendo a afirmação do prefeito de Belo Horizonte Alexandre Kallil, na quarta-feira (10), que a restrição para caminhões no Anel Rodoviário começaria em março deste ano.

No mesmo no dia no fim da noite o Ministério dos Transportes informou que haverá sim a restrição de tráfego no trecho concedido da BR–040.

Continua após a publicidade

“O trecho administrado pelo Dnit funcionará normalmente”, disse também por meio de nota. Do total de 26,1 quilômetros do Anel Rodoviário de BH, 10,7 quilômetros são concedidos.

A decisão sobre quando se dará a restrição, porém, segundo ministério, “será tomada pelo grupo de trabalho a ser criado pela ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) especialmente para estudar seu impacto neste trecho”. Ainda segundo a nota, “o objetivo é restringir a circulação com o mínimo de transtornos e reduzir o número de acidentes” e o os resultados dos estudos serão apresentado apenas em março.

Veja a nota da prefeitura divulgada nesta sexta:


Já esclarecidas as questões de competências, atribuições e prazos sobre os problemas do Anel Rodoviário pela nota oficial do Ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella, a Prefeitura de Belo Horizonte reitera que nada será realizado de forma açodada e que todas as partes envolvidas continuarão sendo chamadas à mesa para as discussões. Entretanto, a seriedade do momento não permite a omissão com a qual o assunto foi tratado nos últimos 50 anos nem com medidas populistas.


Comments are closed.