(Imagem: Luiz Granzotto)

A Prefeitura de Uberlândia lançou nesta segunda-feira, 12, a campanha de mobilização de combate ao mosquito Aedes aegypti: a hora de agir é agora. Em solenidade no Centro Administrativo, o prefeito Odelmo Leão se reuniu com representantes de instituições, associações e empresários, além de profissionais da imprensa, saúde e educação, para reforçar as medidas de prevenção e fazer com que se tornem agentes multiplicadores das ações realizadas pelo Município.

A mobilização vem de uma preocupação do prefeito de Uberlândia para que a cidade não volte a sofrer uma epidemia, como a de 2016, quando mais de 12 mil notificações de dengue foram registradas na cidade. Com um trabalho permanente das equipes do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) desde o início de 2017 e realização de ações em todos os bairros, o resultado foi uma queda de 82% nos casos de dengue e 89% de zika vírus.

Continua após a publicidade

“Trabalhamos todo o ano de 2017 para garantir o controle do mosquito. Foram várias atividades de combate realizadas pelos nossos profissionais. Só que essa luta é de todos nós. Em grande parte dos casos, os criadouros do Aedes estão dentro de casa e somente com a participação da comunidade, podemos vencer essa batalha contra o mosquito. Temos que agir agora, eliminando todos os focos para evitar uma epidemia destas doenças que podem matar”, afirmou o prefeito.

Envolvimento social

Além da dengue, o Aedes também é o mosquito transmissor de doenças como chikungunya, zika e febre amarela, que podem ser ainda mais graves. Desde o início do período chuvoso, equipes da Prefeitura intensificaram as ações em diversas frentes de trabalho para reforçar o combate aos possíveis criadouros.

Ainda assim, tal qual ressaltou o secretário Municipal de Saúde, Gladstone Rodrigues, a conscientização das pessoas continua sendo o principal desafio para o sucesso dos serviços. “É algo que merece toda a nossa atenção, tanto do poder público como da população. Mesmo com bons resultados, não podemos parar e com essa campanha esperamos intensificar ainda mais o trabalho realizado”, explicou.

Ainda conforme o secretário, gestos simples podem fazer a diferença. “Precisamos nos mobilizar, para que cada um faça a sua parte, principalmente por conta das limitações provocadas pelo período chuvoso. Evitar descarte irregular de lixo e tudo mais que possa acumular água parada é extremamente necessário. É hora de unir forças para reforçar a luta”, disse.

Ações e estratégias para 2018

Quem também enalteceu a importância da contribuição da comunidade foi o coordenador do Programa de Controle da Dengue, José Humberto Arruda, que antecipou algumas ações a serem desenvolvidas. “Tivemos o apoio de empresas, associação de moradores, instituições, bem como a participação efetiva da Atenção Primária, como os agentes comunitários de saúde. Pretendemos continuar com a atenção dobrada com a coleta de pneus, bem como a aplicação do peixe lebiste, principalmente com o cadastro das piscinas e locais que não podem utilizar o larvicida, e a ampliação das visitas aos imóveis fechados para venda e aluguel”, adiantou.

Trabalho permanente

Uma das iniciativas que contribuíram para os números positivos no combate ao mosquito foi a retomada da ação de bloqueio, logo em janeiro do ano anterior.  O trabalho foi realizado em bairros que tiveram casos suspeitos das doenças transmitidas pelo Aedes. Ao todo, foram feitos mais de 41.270 bloqueios de casos suspeitos.

Ainda em janeiro de 2017, o CCZ reestruturou o trabalho em pontos estratégicos, com visitas quinzenais aos ferros-velhos e coleta de pneus nas borracharias da cidade. Além disso, realizou o descarte ambientalmente correto de 43 mil pneus que estavam depositados de forma inadequada no Ecoponto do Distrito Industrial.

Também foram intensificadas as visitas nos imóveis fechados para aluguel ou venda após uma parceria com as imobiliárias do município e o acompanhamento e inserção do peixe lebiste, que é a melhor solução para eliminação das larvas do Aedes em locais que não podem ser tratados com larvicidas, como piscinas, fontes, tanques de decantação e outros.

O trabalho das equipes da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbanístico e a capacitação de profissionais da saúde, educação e agentes comunitários por meio do seminário ‘Juntos contra o Aedes’ foram de extrema importância.  Um conjunto de ações que resultou em índices positivos para a cidade.

Confira os números do Programa de Controle da Dengue em 2017:

– Dengue em 2017: 1.681 casos de dengue confirmados – queda de 82% em comparação com 2016, quando 9.419 casos foram confirmados
– 8.947 pontos estratégicos visitados
– 22.655 imóveis visitados pelos agentes no LIRAa
– 644 atividades de Ronda escolar
– 2.947imóveis cadastrados em imobiliárias monitorados
– 67 caixas d’água vedadas
– 797 imóveis visitados para controle biológico do peixe lebiste

– Zika vírus 2017: 8 casos confirmados – queda de 89%
– Zika vírus 2016: 76 casos confirmados
– 41.270 casos suspeitos bloqueados
– 637.991imóveis visitados pelos agentes de saúde
– 1.425 pontos de ônibus vistoriados
– 252.591 pneus coletados em borracharias, domicílios e terrenos baldios
– 273 palestras e stands em empresas
– 827 vistorias em imóveis abandonados

Fique ligado!
Em caso de dúvidas, a população pode ligar no Centro de Controle de Zoonoses. O telefone é: (34) 3213-1470 ou 3213-1418

SECOM


Comments are closed.