A cultura de Minas Gerais amanheceu em luto nesta quinta-feira (18) com a morte do compositor e produtor musical Flávio Henrique Alves de Oliveira, de 49 anos, que também era presidente da Rede Minas e da rádio Inconfidência. Com oito CDs autorais e um DVD, ele tinha 180 músicas gravadas e foi parceiro de grandes nomes da música brasileira, como Paulo César Pinheiro, Chico Amaral, Toninho Horta, Fernando Brant, Zeca Baleiro, Ronaldo Bastos, Milton Nacimento, Lô Borges e Vander Lee. 

O último CD dele foi “Zelig”, lançado em 2012. O músico também foi um dos pioneiros do Carnaval em Belo Horizonte, já que em 2012 ele escreveu a música “Na Coxinha da Madrasta”, primeiro hit da safra de marchinhas e que faz alusão ao uso que o então vereador Leo Burguês fez de sua verba indenizatória para comprar lanches com sua madrasta.

O cantor e compositor Pedro Morais contou que Flávio era um grande e querido amigo. “Neste momento difícil a gente tem que ter um olhar de agradecimento. Sou grato pela oportunidade de ter convivido e passado por tantas coisas massas junto com ele, crescido e aprendido nesta vida, que é tão efêmera e tão frágil”, relatou. Pedro era parceiro de Flávio no grupo Cobra Coral e lembrou que esta perda afeta a todos os músicos e artistas de Minas. 

Continua após a publicidade

Flávio Henrique assumiu a Inconfidência em novembro de 2015 após a exoneração de Tancredo Antônio Naves. Em entrevista concedida à O TEMPO pouco após ele assumir o cargo, ele falou da principal missão da nova gestão, que era de recuperar a vocação cultural e musical da rádio

“Quero que minha gestão seja marcada por um cunho cultural. Os esportes devem ser mantidos na AM, não precisam sair da pauta. Mas o perfil da rádio na banda FM não pode ser mudado. É uma rádio que passou anos construindo um determinado tipo de ouvinte, e não faz sentido mudar isso de forma abrupta”, pontua.

Na época, Flávio Henrique disse ainda que a Inconfidência deveria buscar o equilíbrio entre “a música consagrada e a cena local”. “Como uma rádio pública, ela tem a função de abrir espaço para divulgar a produção local, que cresce com as novas manifestações culturais de BH. Os meios de comunicação pública devem suprir o que os comerciais não fazem. Quero trabalhar com o foco na vocação pública, e não inspirado em nenhum modelo comercial”, afirmou.

Durante a entrevista, o então novo presidente da rádio falou que a “Brasileiríssima” sempre esteve presente em sua vida. “É uma rádio que faz parte do meu dia a dia, que frequentei muito e onde fiz muitos amigos. Fui colaborador em várias gestões, fiz muitos jingles, participei de reuniões sobre a programação. E sempre gostei do clima. Sentia, de alguma maneira, muita vontade de trabalhar ali”.

 

Medalha

Flávio Henrique foi um dos homenageados na última edição da entrega da Medalha da Inconfidência, em Ouro Preto, no dia 21 de abril de 2017. 

Ele recebeu a homenagem ao lado de pessoas como o técnico Mano Menezes, a cantora Fernanda Takai e o músico Samuel Rosa, do Skank. 

Clique AQUI para ler a entrevista com o músico feita pela jornalista Joyce Athiê em abril de 2016. 

Assista alguns vídeos da banda Cobra Coral: 


Comments are closed.