Para aumentar a cobertura vacinal, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) está realizando uma força tarefa nas unidades regionais. O objetivo da ação é evitar novos casos de febre amarela no estado e reduzir os danos provocados pela doença.

Na última quinta-feira (18/1), a SES-MG promoveu uma reunião com as coordenações  das Regionais de Saúde de  Uberlândia e Ituiutaba,  cujo objetivo foi promover o alinhamento das estratégias de enfrentamento da doença na região. A atividade mobilizou  profissionais de saúde e secretários de 27 municípios.

As cidades em Minas Gerais que irão participar da ação são as que se enquadram em uma das situações, como: casos de febre amarela confirmados, baixa cobertura vacinal ou casos de epizootia (morte de primatas).

Continua após a publicidade

As Regionais de Uberlândia e Ituiutaba têm cobertura vacinal acumulada no ano de 2017 em 86% e 74% respectivamente e discutiram as estratégias para vacinar pelo menos 183.114 pessoas ainda não imunizadas. Na Regional de Uberlândia, os municípios que estão acima de 95% são Araporã, Cascalho Rico, Douradoquara, Grupiara e Iraí de Minas. Na de Ituiutaba, somente Ipiaçu.

» Clique aqui e conheça o Esquema Vacinal para a Febre Amarela

Apesar de não ter casos humanos de febre amarela na região, o vírus está circulando em Minas Gerais e a cobertura de pessoas imunizadas precisa ser ampliada, afirmou a Subsecretária de Gestão Regional da SES-MG, Márcia Faria Moraes Silva.

“Discutimos com os municípios a intensificação da campanha vacinal, que é a solução mais eficiente, sem danos e com o melhor custo benefício para evitar uma epidemia. Não há desculpas para não vacinar. Em Minas Gerais não há falta nos estoques, não haverá fracionamento das doses e a vacina é segura”, disse.

Durante a reunião, todo o ciclo da febre amarela foi abordado – da prevenção à internação, com ênfase na vacinação. Também foram problematizados os pontos críticos locais com os municípios. “Vamos construir um programa de enfrentamento em parceria com as prefeituras, que integre as ações estaduais, regionais e municipais”, afirmou a subsecretária.  “Com as estratégias atuais, quem tinha que ser vacinado, já foi. Agora a estratégia deve ser voltada para aquele público que o sistema ainda não alcançou”.

A subsecretaria reforçou que cada gestor municipal deverá articular as melhores estratégias para realizar a ação com participação ativa das equipes de Atenção Primária a Saúde e outros parceiros. 

Enfretamento à febre amarela

As secretarias municipais de saúde do Triângulo Norte irão elaborar o Programa Municipal de Enfretamento à Febre Amarela com a supervisão e orientação das regionais de saúde, que serão apresentados nos dias 29/1 (região de Uberlândia e Araguari) e 30/1 (Patrocínio e Monte Carmelo).

 “Em cada prefeitura haverá no mínimo um profissional de referência em febre amarela que será o interlocutor com o Estado e irá coordenar e integrar as ações nos municípios”, explicou a superintendente da Regional de Saúde de Uberlândia, Rosângela Paniago.

“A gestão regional do Estado é fundamental para que as prefeituras tenham um ponto de apoio próximo a eles. Além de intensificarmos as estratégias de vacinação, vamos organizar o fluxo de assistência para que os usuários que derem entrada no SUS, devido à febre amarela não tenham que esperar uma vaga para internação. Eles serão casos prioritários”, complementou.

Na Regional de Ituiutaba, a cidade de Capinópolis atingiu uma cobertura de 92% e precisa vacinar ainda 1.222 pessoas para alcançar a meta (95%).  Em 2017, a prefeitura realizou uma intensificação da rotina de vacinação e uma campanha de conscientização, explicou a secretaria municipal de Saúde, Sandra Barbosa.

“Um desafio é vacinar as pessoas na zona rural. Temos realizado busca ativa desta população e o serviço de saúde tem ido aos finais de semana até conseguir atingir a cobertura ideal. Esta é a orientação regional e do estado”, afirmou Sandra.

A secretaria enfatizou que uma das principais estratégias discutidas na reunião para melhorar a cobertura vacinal é o trabalho integrado entre os agentes comunitários e os de endemias. “Temos que focar no elo entre Atenção Primária e a Vigilância Epidemiológica. Os agentes comunitários são as pessoas que estão diariamente nas casas de população, são eles que conhecem realmente o território”.

A vacina para a febre amarela está no calendário de rotina de Vacinação em Minas Gerais e disponível nas Unidades de Saúde. As ações de intensificação vacinal estão sendo realizadas em 248 municípios. Desde 2017, em Uberlândia são quatro cidades que estão intensificando a vacinação e em Ituiutaba são duas.

As equipes de saúde realizam vacinação casa a casa na zona rural, além, de conferirem a caderneta de vacinação nas unidades de saúde e administrar as doses de acordo com a situação vacinal de cada pessoa. A letalidade por febre amarela em Minas Gerais no período de 2017 e 2018 é de aproximadamente 68,2%.

 Casos de febre amarela

Desde o início do 2º período de monitoramento da febre amarela (julho/2017 a junho/2018), foram confirmados 22 casos em Minas Gerais. Destes, 16 evoluíram para óbito e outros 46 casos continuam em investigação nos municípios de Barra Longa (1), Belo Horizonte (4), Brumadinho (4), Caeté (2), Carmo da Mata (1), Carmo do Parnaíba (1), Estrela do Indaiá (1), Itatiaiuçu (1), Itaúna (2), Juiz de Fora (1), Mariana (9), Nova Lima (3), Piranga (1), Poço Fundo (1), Ponte Nova (1), Porto Firme (3), Rio Acima (1), Sabará (2), Santa Bárbara (2), Santa Luzia (1), Santa Rita de Minas (1), São Gonçalo do Rio Abaixo (1), Teófilo Otoni (1) e Viçosa (1). Foram descartados 40 casos suspeitos no período. Nas Regionais de Uberlândia e Ituiutaba não tem nenhum caso confirmado e nem em investigação.


Comments are closed.