A Promotoria de Justiça de Varginha, no Sul de Minas, está contestando a duplicidade do uso de 40 dias trabalhados para que o goleiro Bruno Fernandes conseguisse a progressão de pena. O jogador foi condenado pelo cárcere e pela morte de sua ex-namorada Eliza Samudio, em junho de 2010. Nesta quarta-feira (24) haverá o julgamento do recurso, que poderá retirar o tempo de trabalho do atleta.

“Quando Bruno começou a cumprir a pena em Varginha, eu pedi para o juiz julgar as remissões dos dias trabalhados na Apac (Associação de Proteção e Assistência ao Condenado) de Santa Luzia. O juiz aceitou o pedido e determinou que fossem embutidas em um novo atestado de pena essas remissões. No entanto, o promotor entrou com o recurso”, explicou o advogado do jogador, Fábio Gama.

A promotoria afirma que os 40 dias já teriam sido aceitos em Santa Luiza e teriam sido novamente acrescentados ao atestado de pena em Varginha. Com isso, para a Justiça, estaria ocorrendo duplicidade na remissão. 

Continua após a publicidade

Sessão

A sessão está prevista para começar às 13h30, no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), na avenida Afonso Pena, na capital.


Comments are closed.